Princípios éticos: é possível trabalhar na Educação Infantil?

As propostas da Educação Infantil devem respeitar a princípios éticos como o respeito às diferentes culturas, identidades e singularidades. Como levar esses princípios de forma mais concreta para os pequenos?

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais, as propostas da Educação Infantil devem respeitar a princípios éticos como o respeito às diferentes culturas, identidades e singularidades. Como levar esses princípios de forma mais concreta para os pequenos? É possível trabalhar diferenças e preconceito com crianças nessa faixa etária?

Na postagem Uma experiência prática de cidadania na Educação Infantil conhecemos o projeto Conselho Mirim, desenvolvido por uma EMEB da região do ABC paulista, que propõe ampliar a participação das crianças nas decisões de aspectos da vida da comunidade escolar. A EMEB desenvolve uma proposta com princípios políticos que são concretamente vivenciados pelas suas crianças.

Tromba TrombaPara começar a pensar em propostas nesta direção, livros e histórias são boas dicas.

O inglês David Mckee, escreveu e ilustrou o livro Tromba e Tromba, editado pela Zahar, que conta a história de uma briga no reino animal, entre elefantes pretos e brancos. Viajando pela história é possível perceber temas como preconceito, violência e tolerância.

Tromba 2

A história fala sobre um tempo em que os elefantes eram pretos ou brancos. Eles eram amigos de todos os animais, mas elefantes pretos e brancos não suportavam conviver entre si, se odiavam, e cada grupo ficava num lado da selva. Dessa inimizade, deu-se o início uma batalha terrível. O conflito acontece até o dia em que aparecem netos de um lado dos elefantes e …

Tromba 1

A cor da pele é uma das razões do preconceito. E a cor é um recurso plástico muito explorado na educação infantil. Que tal unir as duas situações e trabalhar arte, identidade e diversidade? Além da pele, carregamos outras cores, como as do cabelo e  dos olhos.

Provoque os pequenos e perceba como reagem. Será que uma “conversa” sobre a variedade de cores e formas dos cabelos pode interessar? E a cor dos olhos? E a própria pele do braços, das pernas e da barriga? O interesse pode brotar e aproveitamos uma oportunidade que vem das próprias crianças.

Projeto Cores e Tons - cor de pelaA professora Ana Cristina Vampré di Monte, da Escola Primeira, SP, nos contou que durante uma atividade de desenho com sua turma de 4 a 5 anos, uma das meninas falou: me passa o giz da cor da pele?  Pegando o “gancho”, a professora respondeu: da cor da pele de quem? Porque a minha pele é de um tom, a sua é de outro tom… Nesse ponto, a turma mergulhou na pesquisa dos tons da pele. E assim nasceu uma oportunidade para trabalhar as diferenças.

A cor da pele já foi tema de inúmeras propostas educacionais e artísticas. A artista plástica carioca Adriana Varejarão pesquisou por mais de 15 anos a representação das cores das peles dos brasileiros. No final do trabalho, a artista preparou a exposição Polvo apresentando um conjunto de tintas que amplia a maneira como as cores definem as raças no Brasil, entre as várias mostra, em 2014 na Galeria Vilaça, São Paulo/SP. Nessa mostra a artista expressa a diversidade e a percepção do próprio brasileiro com relação a esta questão.

Polvo

O ponto de partida da pesquisa da Adriana foram as respostas coletadas no senso do IBGE para a pergunta  “Qual é a sua cor?”. Respostas como “queimada de sol”, “moreninha”, “pouco clara”, “burro quando foge”, “fogoió”, “branca melada”, entre outras, inspiraram a artista, conforme expressa na entrevista para a revista trip – http://revistatrip.uol.com.br/tpm/adriana-varejao e na matéria da Consuelo Blog – http://www.consueloblog.com/adriana-varejao-cria-o-espetacular-polvo/

Tromba e Tromba e outras histórias, a obra da Adriana Varejão e situações que surgem no cotidiano, podem despertar nos pequenos o olhar para as diferenças estéticas, a igualdade de direitos e o respeito a todos seres humanos. Só é preciso estar atento às oportunidades e às possíveis provocações… tudo em clima de pesquisa e brincadeira!

Leia mais em: Uma experiência prática de cidadania na Educação Infantil; Palavra de… Josca Baroukh: a criança e o acesso à Arte

 

adriana_varejaoAdriana Varejão (1964) – artista brasileira contemporânea tem sua obra presente nas principais Bienais no país e no exterior, bem como nas principais galerias. A obra de Adriana ficou muito marcada por outra séria com a preocupação de revelar a formação brasileira. A série Mares e Azulejos, revelada o sofrimento que estava por traz do período colonial brasileiro pro traz dos azulejos portugueses deste período.

1 pensamento em “Princípios éticos: é possível trabalhar na Educação Infantil?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *