A cozinha da escola também é lugar de criança!

Cozinhar é uma atividade do dia a dia que nos coloca em contato com sensações, emoções, histórias, costumes e criação. Será que a escola não priva as crianças dessa importante experiência cultural?

criancas-preparando-massaComo é a cozinha da escola? As comidas e os seus preparos são experiências culturais intensas às quais frequentemente privamos as crianças. Cozinhar é uma atividade do dia a dia que nos coloca em contato com sensações, emoções, histórias, costumes e até mesmo com a geografia.

Balão-Dúvida-pO que sentimos com os alimentos?
Quais sabores percebemos? Quais cheiros, cores e texturas?
Faz barulho quando mordemos? Tinge a nossa boca?
De onde vem esse alimento? Como ele é preparado? O quão intenso é esse trabalho?
O que ou quem essa comida me lembra? Como me sinto ao comê-la?

Preparar a comida vai muito além de trabalhar com as crianças conceitos da matemática , da química, da física e a autonomia. Cozinhar envolve método, sensibilidade, criatividade, sentimento e trabalho colaborativo. Por isso, é um campo fundamental para a Educação. Continue lendo “A cozinha da escola também é lugar de criança!”

Férias, peneiras e brincadeiras para aprender!

Dica para as férias: brincadeiras, pesquisa e muitas aprendizagens com peneiras! Como? Leia a postagem!

bebê com peneiraPeneiras são mágicas!
Seguram alguns materiais e deixam outros escapar!
Fazem água virar tempestade e ainda servem para brincar de pescar!
Ver a areia chover pela telinha é um encanto!
Se agitar, tudo passa mais rápido. Se ficar parado, nada acontece!
Mesmo grandes, não conseguem tampar a luz e nem impedem o vento!
Mas… como lidar com elas?
Peneiras são uma boa dica para começar um projeto de férias.

Uma boa variedade de peneiras pode se transformar num brinquedo divertido, curioso e desafiador para crianças de todas as faixas etárias.

Nas férias muitas instituições formam turmas multisseriadas e, às vezes, os professores têm dificuldade de planejar propostas atraentes para toda a turma. Nesse sentido, as peneiras são objetos interessantes e pesquisados por bebês e crianças maiores. Por isso, um conjunto de peneiras pode ser uma mão na roda para promover brincadeiras e aprendizagens nas férias. Continue lendo “Férias, peneiras e brincadeiras para aprender!”

O ritmo das crianças e a ansiedade do professor

O que significa de fato acompanhar o ritmo das crianças e favorecer as aprendizagens? Quando estamos interferindo?

Uma das qualidades mais importantes do professor é a paciência! Mas ao contrário do que se pode pensar ao ler essa afirmação, a paciência em questão está relacionada ao acompanhamento do ritmo das crianças e o precioso tempo de aprender. Estamos falando da paciência com a ansiedade de interferir.

O professor, além de garantir:
• um planejamento motivador e compatível com o interesse dos pequenos,
• a organização de materiais e espaços provocadores,
• a preparação de estratégias para fazer a mediação,
ele também precisa incorporar uma calma transcendental…

Como assim?

Balão-na-PráticaVamos imaginar uma situação comum ao quotidiano da creche. Num grupo na faixa de 24 meses, uma das crianças, capturada por uma série de caixas, descobre que empilhá-las pode ser muito interessante. Vê-se entusiasmo nascer no brilho dos olhos do pequeno. Percebe a sua intenção porque, a essa altura, já o conhece a fundo.
Ele coloca uma caixa no chão, pega outra e posiciona sobre a primeira.

Repete a operação com uma terceira caixa, desta vez, menor que as outras.
Detém-se por alguns instantes para admirar a construção. Continue lendo “O ritmo das crianças e a ansiedade do professor”

Riscos X perigos: o que queremos para as nossas crianças?

Em nome de uma “infância protegida” não estamos transformando as brincadeiras e os seus riscos em desafios simples e pouco expressivos? Correr riscos é ruim?

Quem não andou por ruelas e terrenos inexplorados, cutucando algo descartado ou explorando as possibilidades de brincar numa grande árvore? Quem não juntou objetos e pedaços de plantas para fazer uma preciosa cabana? Quem não se sujou de lama e pisou prazerosamente em poças d’água? Será que estamos roubando de nossas crianças parte da uma infância culturalmente cultivada por centenas de anos? Em nome de uma “infância protegida” não estamos transformando as brincadeiras e os seus riscos em desafios simples e pouco expressivos?

Um dos destaques da mostra Ciranda de Filmes 2016 é o curta-metragem The Land da americana Erin Davis (Documentário, EUA, 2015). O filme persegue as atividades de um grupo de crianças que frequenta um playground incomum, localizado no País de Gales, Reino Unido.

vistta 5

 

Por que incomum? Continue lendo “Riscos X perigos: o que queremos para as nossas crianças?”

Atividades para bebês: Caixas Temáticas

Como colocar em prática um trabalho com bebês de 2 a 6 meses partindo de informações da Neurociência? Publicamos Quadros Organizadores com essas informações na postagem anterior. Mas, e agora? Como trabalhar tudo isso?

Oferecemos uma grande quantidade de informações sobre Neurociência e desenvolvimento de bebês de 2 a 6 meses na postagem Neurociência, aprendizagem e desenvolvimento infantil – 2 a 6 meses . Abordamos:

  • como os bebês conhecem e aprendem sobre o mundo,
  • como interagem e se expressam e
  • como se relacionar com eles para conhecê-los e trabalhar no seu desenvolvimento
    E agora? O que fazer com essas ideias?

O desafio do educador é estar preparado para ir ao encontro dos interesses do bebê na sua singularidade. Nesse sentido, precisamos perceber os pequenos, registrar seus percursos e arranjar tempo para fazer tudo isso com qualidade na correria da rotina

Desse modo, os conteúdos da Neurociência servem como referência para conhecer os bebês do grupo e como orientação para a escolha, organização dos espaços, materiais e elaboração de propostas adequadas.

atividades sensoriais para bebês

Continue lendo “Atividades para bebês: Caixas Temáticas”

Olhar do professor: 12 escalas do brincar

Dá para classificar as brincadeiras infantis? 12 escalas do Brincar podem ajudar o professor a acompanhar as brincadeiras e suas aprendizagens.

brincando com pneusDá para classificar as brincadeiras infantis?
Brincar de mexer. Brincar de pular. Brincar de dançar. Brincar de desenhar. Brincar de comer. Brincar de construir. Brincar de casinha. Brincar de carrinho. Brincar de jogar. Brincar de rir… brincar de brincar.

Os brincares são intensos, variados, criativos e evoluem à medida que são brincados. Essa é a grande matéria prima da infância. Criança é feliz quando brinca e exercita as relações. Assim, esse estado de graça faz com que aconteçam aprendizagens e desenvolvimento.

Continue lendo “Olhar do professor: 12 escalas do brincar”

Qualidade das palavras e dos brinquedos: tem relação?

Brinquedos provocam desenvolvimento. Brinquedos promovem conversas. Qual a importância disso? Descubra os resultados de uma pesquisa da Academia Americana de Medicina Pediátrica.

Brinquedos provocam desenvolvimento.
Brinquedos promovem conversas.
Qual a importância disso?

Captura de Tela 2016-02-02 às 13.24.09Um estudo interessante  sobre a quantidade e a qualidade de expressões orais na interação de adultos com crianças de 10 a 16 meses, nas brincadeiras com brinquedos eletrônicos, brinquedos tradicionais e livros, foi publicado pelo JAMA Pediatrics, o Jornal da Associação Médica Americana.

A pesquisa levantou o número de palavras verbalizadas por 26 pais e suas 26 crianças, durante 15 minutos de brincadeiras com brinquedos eletrônicos, brinquedos tradicionais e livros. Continue lendo “Qualidade das palavras e dos brinquedos: tem relação?”

O que precisamos dar para as crianças brincarem?

O que as crianças pequenas precisam para brincar? Vamos conhecer algumas experiências com brinquedos não estruturados?

Muito se fala sobre as crianças e seus aprendizados.  Dispomos de pesquisas e indicações sobre materiais para brincar que aguçam o interesse das crianças…

Balão-Dúvida-pO que as crianças pequenas precisam para brincar?

Em artigos recentes, os temas brincadeiras e brinquedos trouxeram à tona questões que continuam na pauta das polêmicas a respeito da infância.

Uma dessas notícias comenta a experiência de um Jardim de Infância da Noruega*, um país com indicadores altos de qualidade de educação. Com a retirada de brinquedos estruturados (aqueles comprados prontos!) da escola, as crianças passaram a usar nas salas caixotes, tecidos, almofadas, mesas e cadeiras, e,  nos pátios, somente os aparelhos do playground e a natureza.

E qual foi a reação das crianças?

Além de não reclamarem a falta dos brinquedos prontos e estruturados retirados, as crianças usaram mais a imaginação, transformaram os materiais disponíveis, as brincadeiras duraram mais tempo e surgiram muito menos conflitos, pois as crianças estavam desafiadas, ninguém era dono de nada e tudo estava na fantasia!

C’est Pas du JeuO documentário C’est Pas du Jeu (Não é brincadeira) apresentado na primeira edição do Ciranda de Filmes (festival de cinema dirigido à infância, aprendizagem e transformação), mostrava períodos de recreio num pátio de uma pré-escola francesa, onde 100 crianças, de 3 a 5 anos,  brincavam num espaço livre. Muito livre! Só eram visíveis alguns bancos, poucas árvores, um brinquedão, paredes com pinturas e mosaicos, as janelas e portas do prédio antigo. Os momentos filmados capturaram seis meses do período letivo, percebidos por conta da mudança de roupa das crianças. Em uma ou outra ocasião, as crianças brincavam com uma bola. E só! Sem sofisticação, sem casinhas de boneca rebuscadas, sem quadras, sem trilha sonora, sem efeitos especiais, sem enfocar a intervenção dos adultos. Continue lendo “O que precisamos dar para as crianças brincarem?”

Brincadeira livre ou conduzida?

O Documentário Território do Brincar: Diálogo com Escolas é um recurso preciosos para inspirar educadores e provocar reflexões profundas sobre as brincadeiras em encontros e paradas pedagógicas. Conheça nossas dicas para mergulhar nesse conteúdo!

O que desperta sua inspiração?
O documentário Território do Brincar Diálogo com Escolas é uma ótima fonte!

Território do Brincar mangueCoordenadores e professores estão constantemente buscando recursos e estratégias para alimentar discussões, trocas e formações nos encontros, reuniões e paradas pedagógicas. Foi lançado um documentário sob medida para provocar muita reflexão sobre um tema que é a essência da infância e, por consequência do currículo da Educação Infantil: a brincadeira.

Em mais um projeto vivo e profundo, a parceria Território do Brincar com o Instituto Alana nos traz uma lição sobre a infância. Aquela que ficou guardada num cantinho da cabeça e do coração e que nós, educadores, precisamos resgatar para olhar e enxergar as crianças com as quais trabalhamos.

O Documentário “Território do Brincar: diálogo com as escolas” apresenta o projeto de dois anos de viagens da educadora Renata Meireles e do documentarista David Reeks para registrar o universo brincante das infâncias do Brasil e um diálogo franco com 6 escolas para trocar e perceber os ecos que partiriam desses registros. Continue lendo “Brincadeira livre ou conduzida?”

Para que a brincadeira continue!

A organização das brincadeiras, novas ou já conhecidas é o ponto de parida para receber as crianças que estavam de férias! Compreender a importância do brincar para a criança é fundamental e deve ser o foco da equipe.

… O mês de agosto está chegando! O mês de agosto chegou! Agosto … mês bem disposto!

É o início das atividades do segundo semestre e … para que a brincadeira continue veja as sugestões!

E a organização das brincadeiras, novas ou já conhecidas é o ponto de parida para receber as crianças que estavam fora, de férias. Compreender a importância do brincar para a criança é  fundamental e deve ser o foco da equipe!

Ampliando a postagem anterior Espírito de férias na brincadeira  selecionamos várias  propostas para que a brincadeira continue e a diversão não termine!

contato-tempo-de-crechePista com pneus e bambolês

Quais os movimentos que as crianças mais gostam de fazer? Quais os mais difíceis?

Angela h

Por meio de pistas ou circuitos com obstáculos como –  túnel de tecido, degraus de bancos, bambolês, pneus, cabanas montadas com tatames, proporcionamos às crianças o desenvolvimento e as ampliações gradativa de sua movimentação como o agachar, engatinhar, correr, subir, pular, girar, andar em diferentes planos (no alto, em baixo…) e, assim, desenvolver maior segurança  na movimentação cotidiana. Continue lendo “Para que a brincadeira continue!”