Espírito de férias na brincadeira

Que tal estender o espírito de féria? Mudar o ritmo e as atividades envolve as crianças na aventura e e enriquece as pesquisas. Selecionamos 7 dicas para aproveitar.

Os meses de férias têm uma atmosfera diferente. Sentimos no ar uma mudança no espírito. Parece que o sol brilha mais (mesmo nos dias de chuva e frio!) e a vontade de brincar e alterar a rotina é grande. Essa disposição contamina os pequenos e continua nos primeiros dias do retorno à creche.

Transformar a rotina numa gostosa aventura de férias traz alegria e compensa um pouco a falta de férias das crianças cujos pais trabalham.

Como o número de crianças ainda é reduzido e as faixas etárias diversas, o planejamento pode ser mais brincante e recreativo. Propostas como piqueniques, pequenos passeios no entorno e o uso de materiais e técnicas mais adequadas a pequenos grupos são ideias interessantes. Vale, também, proporcionar atividades sem tempo rígido para terminar, escolhendo aquela que as crianças mais gostam…

Então, está pensando algo diferente para fazer com as crianças durante o mês de julho?

A mudança nas atividades rotineiras envolve as crianças numa aventura e enriquece as pesquisas e as relações. Por que não prolongar essa sensação por mais um tempo e “avançar” em agosto?

As dicas propostas procuram se nutrir da iniciativa e curiosidade infantil. Deste modo, brincar de faz de conta – de casinha, de ir ao supermercado ou a uma festa; colecionar objetos e separá-los em caixas; contar histórias, ouvir poemas etc. traduzem esse interesse.

Experimente! Continue lendo “Espírito de férias na brincadeira”

Três dicas de materiais inusitados e uma para ajudar na bagunça!

Três dicas de materiais inusitados para atividades e uma dica para ajudar na bagunça!

dicas de materiais inusitados para Educação InfantilO levantamento dos interesses das crianças deve direcionar o planejamento das propostas na Educação Infantil. Nossa experiência aponta algumas atividades com vivências que sempre despertam interesse, pesquisa, descobertas e conquistas, por conta de materiais inusitados. 

Trazemos três dicas de propostas que podem ser combinadas aos projetos da turma e uma dica para facilitar a organização de atividades “melequentas”:

 

 

Balão numero 1Meleca de amido

A massa de amido e água, combinadas numa certa proporção, se constitui num líquido viscoso com propriedades diferentes dos líquidos comuns. Falamos dela no post Afinal, o que é Arte na Educação Infantil?. Essa “meleca” fica mais dura quanto mais força colocamos nela, escorre pelos dedos com pingos longos e grossos e desafiam as crianças a controlarem sua ação. É conquista certa! Continue lendo “Três dicas de materiais inusitados e uma para ajudar na bagunça!”

Silvia Ferraresi e Ana Elisa Machado falam de inclusão e do direito de brincar

Para a fisioterapeuta Silvia Ferraresi e a fonoaudióloga Ana Elisa Machado toda a criança tem o direito de brincar! Elas conversam com o Blog sobre inclusão e Tecnologia Assistiva.

Silvia Ferraresi Ana Elisa ChavesPara a fisioterapeuta Silvia Ferraresi e a fonoaudióloga Ana Elisa Machado toda a criança tem o direito de brincar! Elas conversaram com o Tempo de Creche sobre inclusão e Tecnologia Assistiva, que é a utilização de recursos – simples ou sofisticados – para melhorar as funções das pessoas com deficiência.

TEMPO DE CRECHE – O que precisa nortear a atuação de um professor preocupado com a inclusão?

Um professor preocupado com a inclusão precisa ter empatia e comprometimento com a criança. Ele precisa conhecer a dificuldade que a criança tem, para poder pensar em maneiras de contornar essa dificuldade e proporcionar o aprendizado. Ele precisa saber que cada aluno é diferente e aprende de formas diferentes, mas que isso não impossibilita que a turma seja um grupo. O professor precisa ser o mediador entre a criança deficiente e as outras crianças da sala, até que a criança deficiente seja incluída socialmente no grupo. O professor não precisa, necessariamente, saber detalhes de uma determinada patologia, mas deve estar aberto para conhecer algo novo, flexível para modificar suas estratégias de ensino quando necessário e disponível para utilizar meios alternativos de comunicação, tecnologia assistiva e técnicas de manuseio. Continue lendo “Silvia Ferraresi e Ana Elisa Machado falam de inclusão e do direito de brincar”

Território do Brincar – num filme de brincadeiras, dicas para brincar com os olhos e o coração!

No filme Território do Brincar possibilidades para trabalhar formação e dicas de 3 brinquedos tradicionais incríveis para os pequenos!

Filme Território do BrincarNa abertura da mostra de cinema com foco na infância, Ciranda de Filmes 2015, pudemos conhecer o Território do Brincar de Renata Meirelles e David Reeks. Uma poesia cinematográfica que atiça os diversos sentidos dos entusiastas da infância. Com fotografia precisa e encantadora, os olhos se enchem de beleza. A edição sensível conversa com a nossa memória e a trilha sonora sedutora do Grupo Uakti embala uma viagem para outros mundos e para o nosso próprio.

O filme vale ser visto e discutido em encontros de educadores e numa conversa de colegas no final de semana.

Entre as dezenas de brincadeiras mostradas pelas crianças filmadas por todo o Brasil, pudemos destacar três adequadas e desafiadoras para o universo da Educação Infantil. Continue lendo “Território do Brincar – num filme de brincadeiras, dicas para brincar com os olhos e o coração!”

A importância do brincar

O Direito de Brincar da Teoria a Prática – atividades para refletir e conscientizar sobre essa importância e a criação de espaços lúdicos. Tempo de Creche participou do Seminário O Direito de Brincar: da teoria à prática, realizado no SENAC Consolação e Biblioteca Infantil Monteiro Lobato nos dias 10 e 11 de novembro.

“É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança ou o
adulto fruem sua liberdade de criação”.
(Winnicott, 1975)

A atividade lúdica se revela e nos mostra todo o seu significado mais profundo quando compreendemos a relação existente entre ela e o processo de desenvolvimento global do sujeito.

Para as crianças o importante mesmo é viver este universo lúdico que integra a vida. Mas, para os educadores, a atividade lúdica possui função que auxilia no aprendizado infantil, constituindo-se como momentos necessários na vida de qualquer indivíduo.

O Direito de Brincar da Teoria a PráticaPara refletir e conscientizar sobre essa importância e a criação de espaços lúdicos, a equipe do Tempo de Creche participou do Seminário O Direito de Brincar: da teoria à prática, realizado no SENAC Consolação e Biblioteca Infantil Monteiro Lobato nos dias 10 e 11 de novembro. Foi organizado pela IPA Brasil (filiada a IPA internacional – International Play Association) [www.ipadireitodebrincar.org.br] e ABBri – Associação Brasileira de Briquedotecas [www.brinquedoteca.org.br] Programados 5 painéis com temas relevantes e com repercussão em relação a percepção da necessidade do brincar, não só da criança pequena, mas em todas as faixas etárias. Estes temas proporcionam conteúdos de reflexão e aprendizagem constante para todo profissional que trabalha na educação Infantil.

1º dia – 10 novembro 2014
Painel 1: – Brincar como Direito – marco legal e responsabilidades
Painel 2: – Brincar – benefícios, riscos e desafios
Painel 3: – Espaço e Tempo para brincar
 
2º dia – 11 novembro 2014
Painel 1: – Brincar e Saúde
Painel 2: – Formação profissional a serviço do brincar

No período da tarde no segundo dia, várias oficinas com propostas lúdicas foram realizadas na Biblioteca Monteiro Lobato. Tempo de Creche selecionou uma que pode interessar as crianças maiores, por conta do grande desafio que é pular corda e do tempo de confecção. Como pensar oficinas brincantes?! O espaço externo da Biblioteca Monteiro Lobato é bem amplo e bastante frequentado pelos moradores do bairro. As diferentes oficinas organizaram com mesas, cadeiras e tecidos ou rodas, os vários ambientes, para delimitar e reunir os participantes interessados em cada uma. Oficina de brincar 5

Imagens 1: Ler é brincar? Brasil Leitor; 2: Brinquedo se faz? Espaço Brincar; 3:arte-arquitetura para crianças, Jorge Raedó*; 4 Contar historias é brincar, Fábio Lisboa/Viva e deixe viver)

Continue lendo “A importância do brincar”

Brincar com tablets e celulares é aprendizado para crianças pequenas?

As informações que chegam até as crianças são apropriadas? Qual a faixa etária para exposição dos pequenos à tecnologia de tablets e celulares?

Matéria no Estado de S. Paulo acesso das criancas à tablets e celulares
Matéria no Estado de S. Paulo

Um artigo no jornal Estado de São Paulo de hoje faz pensar que esses “brinquedos” não são indicados para crianças até 2 anos. E para as mais velhas, a brincadeira não deve passar de 2 horas por dia.

Quando pensamos em internet e tecnologia, logo ficamos alerta com relação aos conteúdos, com os assuntos e informações que chegam até as crianças: será que são apropriados? São adequados à faixa etária? Mas além dessa questão, a Academia Americana de Pediatria está de olho na própria exposição dos pequenos à tecnologia e recomenda que até 2 anos elas não utilizem computadores, tablets e celulares. Continue lendo “Brincar com tablets e celulares é aprendizado para crianças pequenas?”