Visitar outras creches: valioso recurso de trocas e reflexão

Visitar outras creches pode ser uma experiência valiosa de trocas para repensar, construir e desenvolver o trabalho na Educação Infantil

foto visita entre creches

É muito difícil crescer sozinho

Pensar, refletir e planejar as ações de forma solitária dificulta os processos e estende os tempos e os esforços.

Pensar e REPENSAR a instituição é um ato valioso, necessário e que deve ser habitual, mas ele cresce em qualidade quando podemos estabelecer trocas com quem compartilha os mesmos propósitos e as mesmas preocupações.

Nesse sentido, será que nos damos conta de que temos, muito provavelmente, a poucos metros ou quilômetros, outras instituições de Educação Infantil com realidade muito semelhante à nossa?

Podemos compartilhar nossas ansiedades com outra instituição?

Cogitamos ligar, nos apresentar, pedir para visitar outras creches, conversar com a equipe e conhecer um pouco da sua história, ações, acertos e questionamentos? Continue lendo “Visitar outras creches: valioso recurso de trocas e reflexão”

Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça

Vamos falar objetivamente: 7 caminhos que levam ao REGISTRO feito com alma!

cartaz de registro do professor

Secretarias de Educação tem desenvolvido um trabalho formativo no sentido de promover (e cobrar!) o registro e documentação pedagógica das ações do educador e suas consequências no dia a dia da educação infantil para que, ao serem compartilhados com as famílias, pais e responsáveis possam acompanhar de perto a vida de seus filhos nas creches.

Tomando a posição das famílias, que às vezes carregam certa culpa por estarem longe das suas crianças por quase todo o dia, é muito reconfortante poder contar com uma intimidade, uma proximidade daquilo que acontece com nossos pequenos.

Na esfera administrativa ou na pedagógica o registro de atividades não é uma novidade na educação. No entanto, o REGISTRO tem uma dimensão muito maior! E só vai alcançar essa dimensão se fizer parte da ação rotineira e da crença em seus benefícios por parte do educador. Continue lendo “Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça”

Sementes do Nosso Quintal – um filme lindo e um ótimo recurso para reuniões e paradas pedagógicas

Encontros pedagógicos de educadores são vitais para trocar experiências, buscar direcionamentos, qualificar a atuação e trazer a sensação de que não estamos sozinhos na jornada. O filme Sementes do Nosso Quintal é uma fonte de inspiração para levantar temas para discussão e ampliar repertórios.

CONSULTORIA NOSSA TURMA CRIANÇAS 1 Reuniões e encontros pedagógicos entre educadores são vitais para trocar experiências, buscar direcionamento no trabalho com a primeira infância, qualificar os processos, ampliar repertório e trazer aquela sensação de que não estamos sozinhos na jornada. O filme Sementes do Nosso Quintal é uma fonte de inspiração para esses momentos!

Os encontros entre professores podem contar com a informalidade, mas um roteiro ou uma pauta compartilhada com os participantes, organiza o tempo e evita que se passe momentos preciosos de discussão e reflexão falando das pequenas questões do dia a dia (as roupas nas mochilas, os atrasos, gripes e viroses entre outros problemas corriqueiros). Além de um roteiro com os principais assuntos e temas a serem abordados, o responsável pela organização da reunião deve incluir algo que inspire e que leve o pensamento a outras formas de olhar educação e infância. É como trazer novos ventos e horizontes para obrigar a equipe a desapertar o botão do piloto-automático. Alguns textos, distribuídos antes do encontro, podem levantar boas discussões e reflexões. Os vídeos também são recursos potentes para promover um mergulho em outros mares. O filme Sementes do Nosso  Quintal, com direção e produção de  Fernanda Heinz Figueiredo, é hoje uma referência nacional para sonhar e levantar assuntos sobre a educação na infância. Continue lendo “Sementes do Nosso Quintal – um filme lindo e um ótimo recurso para reuniões e paradas pedagógicas”

Um caminho para preparar reuniões e paradas pedagógicas

Alguns materiais como textos provocadores e vídeos com roteiros interessantes podem aquecer e estimular uma boa reunião pedagógica. Assista Educação Infantil: cuidar, educar e brincar.

Alguns materiais como textos provocadores e vídeos com roteiros interessantes podem aquecer e estimular uma boa reunião pedagógica. 

Recomendamos um vídeo gostoso de assistir e com conteúdos muito pertinentes:

Educação Infantil: Cuidar, Educar e Brincar

O vídeo traz depoimentos de diretoras, professoras e pesquisadoras da Educação Infantil.

Cuidar, educar e brincar

 

Tempo de Creche destaca a articulação entre cuidado, aprendizagem, conteúdos e rotinas no sentido de desenvolver a criança, suas relações consigo, com o mundo e construir a autonomia. Continue lendo “Um caminho para preparar reuniões e paradas pedagógicas”

Gisa Picosque fala sobre a importância de fazer registros e sua arte

Acompanhe o post “Palavra de…” sobre REGISTROS, com a arte-educadora Gisa Picosque. Ela valoriza o registro como recurso pedagógico porém defende a liberdade do formato.

Foto Gisa PicosqueA arte-educadora Gisa Picosque valoriza o registro como recurso pedagógico porém defende a liberdade do formato. Quem conhece seus cadernos de registro reconhece neles uma conversa com a arte! 

Para aprofundar o assunto, acesse o post Por quê fazer registro?

Tempo de Creche – Como introduzir a prática do registro na Educação Infantil?

Gisa – O registro, por ser um instrumento metodológico da vida pedagógica do professor(a), não pode ser olhado como uma obrigação ou exigência institucional. Cuidadosamente, um coordenador(a) pedagógico pode ajudar os professores ao exercício do registro, começando a problematizar algo ou alguma coisa do processo que acontece em sala de aula. Ou seja, problematizando o olhar do professor(a), a observação. Uma pergunta que possa gerar a observação do professor(a) e o registro dessa observação pode ser o começo desse exercício. É importante que a pergunta, o ponto a ser observado, não seja genérico; mas seja um foco específico. Não olhamos tudo de uma vez. Não registramos tudo o que acontece em sala de aula. Precisamos olhar diferentes aspectos em sala de aula: o grupo, o conteúdo, a atuação como professor…  A escolha de um aspecto, contribui para que ocorra a observação e o registro reflexivo. Afinal, observar e registrar é o percurso para a reflexão sobre o fazer pedagógico e o fazer-se educador. O registro é uma investigação.   

Tempo de Creche – Você tem sugestões de formato?

Continue lendo “Gisa Picosque fala sobre a importância de fazer registros e sua arte”

Aniversários na Educação Infantil

Você já pensou em a comemoração de aniversário ser uma forma de construir com as crianças a percepção das singularidades e da individualidade de maneira afetiva e especial? Leia mais sobre a importância deste momento no blog.

imagem aniversários na educação infantil

A comemoração dos aniversários na Educação Infantil e a construção da identidade

É lindo ver um bebê se esforçando em bater palminhas ao cantar Parabéns pra você! Você já viu? Continue lendo “Aniversários na Educação Infantil”

Planejamento da Educação Infantil 2015

A aproximação do final do anos vem carregada com a ansiedade de pensar no planejamento da Educação Infantil para 2015 . Veja como encontrar os conteúdos do Planejamento nas contribuições das crianças e nos registros das professoras.

IMAGEM reunião pedagógica

No próximo mês entramos oficialmente no segundo semestre do período letivo. A aproximação do final do ano vem carregada com a ansiedade de pensar no planejamento da Educação Infantil para 2015 e as alterações a serem realizadas no Projeto Político Pedagógico da creche.

seta horizontalO que devemos manter?

seta horizontalO que precisamos alterar?

seta horizontalO que introduzir?

seta horizontalQuais temas? Comemorações? Ações com a família e a comunidade?

São inúmeras perguntas a serem respondidas pela coordenação e sua equipe. Continue lendo “Planejamento da Educação Infantil 2015”

Planejamento na Educação Infantil e as datas comemorativas

Este post, desenvolvido a partir da dúvida de uma seguidora do Blog sobre as datas comemorativas tradicionais, reflete sobre a escolha dos conteúdos para o planejamento da Educação Infantil e o quanto eles realmente significam para as crianças.

A dúvida de uma seguidora do Blog sobre o texto elaborado pela educadora Ana Helena para a nossa seção Palavra de…, nos levou a desenvolver este post. Em seu texto, Ana Helena aborda a experiência da Creche Oeste da Universidade São Paulo sobre as datas comemorativas tradicionais como conteúdo de planejamento na Educação Infantil e reflete sobre o que elas realmente significam para as crianças.

seta horizontalComecemos pelo protagonismo da criança no currículo da creche.                                                                   O que é isso de fato? Continue lendo “Planejamento na Educação Infantil e as datas comemorativas”

Ana Helena fala sobre datas comemorativas na creche

A questão das datas comemorativas tradicionais podem trazer reflexões para os educadores. Será que o dia dos pais, das mães, do índio etc. são realmente significativos para as crianças? As creches e instituições de educação são obrigadas a desenvolver conteúdos referentes a estas e outras comemorações? Quem deveria “escolher” dentre tantas? A educadora da Creche Oeste da Universidade de São Paulo, Ana Helena Rizzi Cintra, dá seu depoimento sobre este assunto.

Foto Ana Helena Rizzi CintraAna, como você vê as datas comemorativas no contexto da creche? 
Lá na creche a gente não comemora datas com temas como o dia das mães, dia dos pais, dia da árvore, dia do professor ou dia do índio. A gente pensa que são comemorações que podem não pertencer aos contextos das experiências das crianças, e essa não é a nossa proposta. Isto porque, se tratam de temas escolhidos pelos adultos fora do diálogo efetivo com as crianças. Já houve na creche projetos que abordaram diversidade cultural; outros abordaram a questão de onde vem os bebês; outros ainda tiveram como eixo as questões ambientais contemporâneas. Sendo assim, muitas informações sobre comunidades indígenas, mães, pais ou árvores foram trazidas, mas num contexto significativo para as crianças, uma vez que o diálogo com elas foi o que revelou seu interesse por esses assuntos, (e não a data comemorativa como um currículo a priori). Além disso, até mesmo pelo fato de ser uma instituição que recebe famílias de diversos grupos sociais e nacionalidades, o dia dos pais é visto pela comunidade da creche como mais uma data que compete mais à experiência familiar do que à institucional, como o Natal e a Páscoa. E quando uma comemoração tem como foco as atividades para produção em artes visuais, com vistas a presentear alguém, pensamos que é mais complicado ainda, pois além do caráter utilitarista que se dá às técnicas das artes visuais, privamos as crianças de escolher presentear os pais quando tiverem vontade (o que, é importante ressaltar, costuma ocorrer com freqüência muito maior do que apenas uma vez ao ano).

barrinha colorida fininha

Ana Helena Rizzi Cintra

Pedagoga e professora de Filosofia , especialista em Dança e Consciência Corporal. Atua como professora da Creche Oeste da Universidade de São Paulo e professora de Filosofia para o ensino médio.

Verônica fala da Rotina na Educação Infantil

Verônica Souza, coordenadora da Creche Girassol, São Paulo, fala sobre o novo olhar de sua equipe para a Rotina na Educação Infantil.

Veronica Creche GirassolVerônica: Sabemos que você e sua equipe passaram por um processo de formação que transformou o olhar para a ROTINA. Diga-nos um dos maiores aprendizados? 

O que ficou foi um novo olhar sobre as atividades. Principalmente quando ficava focado nas atividades planejadas para o dia.
A formação nos mostrou que não.
Que estávamos todos os dias, a todo o momento em atividade.
Não conseguíamos enxergar isto.
A gente achava que a hora da atividade era só aquela do planejamento, com este nome, com este conteúdo.

Balão Para Saber MaisPara saber mais sobre Rotina, acesse : Como fazer da rotina um recurso valioso de aprendizagem.

 

barrinha colorida fininha

Verônica Souza

Coordenadora Pedagógica da Creche Girassol no Jardim Colombo, São Paulo