Palavra de… Denise Nalini: cantos de atividades e as tomadas de decisão da criança

Denise Nalini fala sobre os cantos de atividades diversificadas que respeitam as escolhas, os interesses e a pesquisa da criança.

A proposta de cantos de atividades diversificadas tem ocupado espaços nos textos referenciais de vários municípios e tem sido frequentemente trabalhada em ações formativas para professores da Educação Infantil. Vamos conhecer o porquê com a Doutora em Educação e formadora, Denise Nalini.

Tempo de Creche – Pode falar sobre as atividades de cantos diversificados?

Denise Os cantos vêm da ideia de uma criança ativa.

Na história da Educação Infantil, os cantos nasceram com Decroly (médico e educador belga, 1871 a 1932) e com a contribuição teórica do pedagogo alemão Fröbell (1782 a 1852) e os cantos do trabalho de Freinet (1896\1966). Todas estas pedagogias trazem a ideia de não trabalhar com uma única atividade.

Shangri-la 5

As propostas nascem da perspectiva de considerar a singularidade de cada criança, que é capaz de escolher entre algumas possibilidades, porque elas têm interesses próprios.  Em resumo, dar à criança opções. Continue lendo “Palavra de… Denise Nalini: cantos de atividades e as tomadas de decisão da criança”

Adaptação: ansiedade e possibilidades

ADAPTAÇÃO: uma situação que geralmente perdura um mês, gera ansiedades e angústias de todos os lados, mas também é pensada e estudada. Descubra!

Reunimos pensamentos de diversos profissionais e temas relacionados ao período de adaptação das crianças a ambientes desconhecidos, entre eles, a creche e o início do ano letivo. Essa é uma situação que geralmente perdura um mês, gerando ansiedades e angústias de todos os lados: professores, pais e crianças. Mas também é uma questão pensada e estudada. Conhecer as diversas visões sobre o assunto pode transformar o medo do desconhecido num primeiro passo para atravessamos a porta de entrada!

Frato menina

 

Balão numero 1O primeiro passo na visão de alguns estudiosos

“O momento de visita de uma criança a um local [museu] é inaugural, ou seja, ao mesmo tempo, inaugura um novo lugar e inaugura um novo você”.
Coordenadora do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca, Mila Chiovatto, em depoimento para o Bolg Tempo de Creche (“É preciso olhar o mundo com olhos de criança”. Henri Matisse)  Continue lendo “Adaptação: ansiedade e possibilidades”

Pauta do Olhar: o que o professor precisa olhar para registrar

O que o professor precisa olhar, perceber e registrar na sua prática? Conheça o que é a pauta do olhar e sugestões para fazer uma tabela de registro.

O que o professor observa? Como é esse olhar? No que ele se diferencia dos vários olhares que as crianças recebem dos pais, dos familiares, do médico e de outros educadores?

professor observadorO professor desenvolve um olhar observador da cena pedagógica: das crianças individualmente, em sua relação com o grupo e com os adultos, nas situações de aprendizagem.

Por quê?

A observação é uma ferramenta necessária para quem trabalha com educação. Por meio da observação o professor direciona seu olhar para buscar ver o que ainda é desconhecido. Por ser um olhar intencional, pensa e questiona a respeito do que vê e quer entender o que está acontecendo. Não é um olhar vago à espera de descobertas, é olhar cuidadoso, observador, olhar reflexivo. Continue lendo “Pauta do Olhar: o que o professor precisa olhar para registrar”

Professoras sabidas: seis dicas práticas para a adaptação

6 dicas práticas testadas por professoras espertas para a adaptação!

A adaptação dos pequenos na creche é motivo de ansiedade para pais, equipes pedagógicas e crianças. Temos muita pesquisa e fundamentação que precisa ser estudada, refletida e experimentada pelos professores para alicerçar o trabalho nessa etapa. O Tempo de Creche tem publicado uma série de postagens que valem a visita.

Mas alguns professores desenvolvem práticas comprovadas pela experiência que ajudam e podem inspirar outros profissionais. Vamos a seis delas:

criança no colo da mae 21- Na hora da chegada à creche, se a criança estiver no colo da mãe ou do responsável, NUNCA tire ela diretamente do colo! Não faça o papel de quem separa o pequeno de sua mãe! Peça para o responsável colocar a criança no chão e aí você pode pegá-lo e colocá-lo no seu colo.

 

Continue lendo “Professoras sabidas: seis dicas práticas para a adaptação”

Tijolo a tijolo, os fundamentos da Educação Infantil

O que é fundamental na educação da primeira infância? Dra. Lilian Katz usa uma metáfora preciosa para refletir sobre essa questão.

O que é fundamental na educação da primeira infância? Dra. Lilian Katz usa uma metáfora preciosa para refletir sobre essa questão.

maxresdefaultDra. Katz é uma educadora inglesa que dedicou sua vida à pesquisa e formação de educadores para a primeira infância nos Estados Unidos.
Na palestra de abertura da Conferência Wonderplay de Educação Infantil, 2012, em Nova Iorque, Dra. Lilian iniciou sua fala relembrando uma conversa que tivera com seu falecido marido engenheiro. Esse diálogo, sob medida para o final de um ano de muito trabalho e novos caminhos, pode provocar novas perguntas. Continue lendo “Tijolo a tijolo, os fundamentos da Educação Infantil”

Creche Shangri-la: um paraíso possível

Conhecer o CEI Jardim Shangri-la é um aprendizado! Registramos uma
uma rotina trabalhada como momentos de aprendizagens, com intenção e interação entre a equipe.

Conhecer o CEI Jardim Shangri-la é um aprendizado! Fomos convidadas para registrar uma manhã no Shangri-la, que construiu uma rotina trabalhada como momentos de aprendizagens, criados com intenção e interação entre a equipe.
O convite partiu da equipe do Instituto Avisa lá e fomos até o extremo sul da cidade de São Paulo para conhecer esta entidade que é uma das ações do Centro Comunitário Jardim Autódromo.

Desde 2012 uma equipe do instituto desenvolve projetos de formação na creche, hoje financiada pelo IMPAES. Segundo Mariana Americano, uma das formadoras, a Arte Contemporânea, com suas propostas que abraçam todos os sentidos e sensações pode se relacionar perfeitamente com a forma com que crianças pequenas aprendem. Fomos conferir essa experiência.
Shangri-la parece nome de paraíso… e é! A creche está estruturada numa chácara, com muito verde, salas com janelas e solários, uma quadra gigante, uma horta e cantinhos especiais: uma casinha no meio de um gramado verdinho, um poço com tampa colorida que vira um banco redondo para a hora do suco, passagens sob as escadas, corrimões, corredores com interferências provocativas e uma equipe comprometida, estudiosa e focada nas crianças.

Shangri-la 2 Fomos recebidas pela diretora Benedita Machado de Mello (Benê) e pela coordenadora Katia Girlene Silva Leite Farias (Kátia) que nos apresentaram os espaços e as salas para suas 120 crianças. Depois percorremos livremente a rotina de uma manhã no Shangri-la. Continue lendo “Creche Shangri-la: um paraíso possível”

Protagonismo infantil em três relatos práticos

Quer conhecer três projetos que valorizam o protagonismo infantil? Confira depoimentos da prática de projetos de professoras da Escola Primeira

Quer conhecer três projetos que valorizam o protagonismo infantil?
Confira os depoimentos de professoras sobre práticas de projetos que percorreram o ano de 2015 na Escola Primeira, São Paulo.

No final de novembro visitamos a V Mostra Cultural da Primeira: Lá…tão longe, tão perto! organizada pela equipe pedagógica para dar visibilidade às profundas aprendizagens das crianças ao longo do ano. A mostra apresentou uma síntese reveladora daquilo que foi mais significativo para as crianças e, ao mesmo tempo, proporcionou experiências estéticas com os registros e produções selecionadas.

Veja a postagem Palavra de… Bia Nogueira: atelierista para conhecer mais sobre essa mostra da Escola Primeira.

1- Da minha janela eu vejo o mundo

Faixa etária: 18 a 24 meses
Professora responsável: Talita Pereira de Freitas
Auxiliar: Arline Midori Zamparo
Atelierista: Bia Nogueira

Este ano o trabalho da professora Talita com sua turma começou diferentemente dos anos anteriores. Suas crianças só queriam ficar dentro da sala. Segundo a Talita, geralmente os pequenos querem ir ao parque e correr, mas estes não. Com isso, começou a ideia de trabalhar o acolhimento se abrigando em ninhos, que, mais tarde, evoluiu para a construção das caixas, algumas delas expostas na mostra.

Projeto Da minha janela vejo o mundo - 5 sentidos

Projeto Da minha janela vejo o mundo - transparênciasPara não deixar a pesquisa na “caixa pela caixa”, as crianças e a professora começaram a explorá-la com os sentidos. Tudo partiu de uma das crianças que degustava um alimento. O projeto começou a caminhar pelas várias formas de exploração dos sentidos: sons, gostos, cores, cheiros e sensações do tato. Continue lendo “Protagonismo infantil em três relatos práticos”

Arte, cultura, expressão e a Base Comum Curricular

Arte comunica onde não existem as palavras. É a primeira língua, que prepara para falar, ler e escrever. Está na Base Comum. Estamos preparados para isso?

A Arte faz a comunicação onde não existem as palavras.
O desenvolvimento social, emocional e cultural de crianças se transforma com o impacto das experiências artísticas.
O que a Base Nacional Comum Curricular fala sobre isso?

Segundo artigo do MOCHA (Museum of Children’s Art – Califórnia, EU), arte na educação infantil é essencial. Ela serve como primeira língua, preparando o terreno para falar, ler e escrever. As experiências artísticas impactam o desenvolvimento social, emocional e físico de crianças de 0 a 5 anos.

Ao envolver as crianças em ambientes e propostas artísticas, contribuímos com a promoção do desenvolvimento do senso estético, da criatividade, motricidade e cognição.

Obras - Tarsila Miro Carlos Cruz-Diez

Campo de experiências experimentação de artes visuaisO texto da versão provisória da Base (BNCC) aponta para a o contato com as culturas locais e de outros países, exploração de materiais, recursos tecnológicos e de multimídias, e a realização de produções prazerosas e inventivas com gestos, sons, traços, danças, mímicas, encenações, canções, desenhos, modelagens, para desenvolver a sensibilidade das crianças.

Aproximar a Arte como conteúdo e ferramenta da educação de crianças pequenas vem sendo apoiada em práticas por todo o mundo e no Brasil. Muitos estudos ratificam a percepção de que Arte, cultura e expressividade contribuem de maneira fundamental no desenvolvimento infantil. seta horizontalDestacamos 16 razões que apoiam esse pensamento: Continue lendo “Arte, cultura, expressão e a Base Comum Curricular”

Base Nacional Comum Curricular: a criança como protagonista

Vamos refletir sobre mais uma questão levantada no texto provisório da Base Comum: o PROTAGONISMO da criança. Leia a matéria e responda à enquete contribuindo com a sua visão.

O texto provisório da Base Nacional Comum Curricular reforça a visão da criança como PROTAGONISTA das ações educativas das instituições de Educação Infantil.

PARTICIPAR, com protagonismo, tanto no planejamento como na realização das atividades recorrentes da vida cotidiana, na escolha das brincadeiras, dos materiais e dos ambientes, desenvolvendo linguagens e elaborando conhecimentos (BNC, p. 20 – Documento de Consulta Pública).

Esse direito é o embasamento que encaminha a forma de pensar as ações nas Creches e EMEIs. Isso significa que os planejamentos de propostas devem partir dos interesses das crianças, identificados nos registros das ações do dia a dia.

Pense bem: as propostas e atividades não devem partir das ideias “independentes” dos professores!

BNCC5

Assim, por esta compreensão da aprendizagem, a criança pequena aprende a partir de seus interesses, de sua vontade de pesquisar e dos desafios que encontra. Continue lendo “Base Nacional Comum Curricular: a criança como protagonista”

Base Nacional Comum Curricular: uma referência prática? Você decide!

Você já ouviu falar da Base Nacional Comum Curricular? Vamos conhecer esse documento, refletir sobre seu conteúdo e opinar?

BNCVocê conhece e utiliza os documentos referenciais e orientações curriculares na sua prática? Já ouviu falar da Base Nacional Comum Curricular?

O PNE – Plano Nacional de Educação prevê a elaboração de (mais!) um documento orientador para as práticas da escola: a Base Nacional Comum Curricular, em processo de tramitação no congresso.

Nesse documento, profissionais especialistas e interferências da sociedade pretendem construir coletivamente os “direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento dos alunos”.

O material foi elaborado com uma dinâmica fácil de ser percebida: 6 direitos de aprendizagem na Educação Infantil são reconhecidos como objetivos de aprendizagem a serem implementados em 5 campos de experiência. Nessa abordagem o professor tem 30 dimensões a serem trabalhadas com as crianças de 0 a 6 anos. Veja a tabela abaixo. Continue lendo “Base Nacional Comum Curricular: uma referência prática? Você decide!”