Registro fotográfico: muito mais do que documentar!

Uma imagem vale mil perguntas! Acompanhe três práticas de Registro Fotográfico de atividades e exercite a reflexão!

crianças e tecidoUma imagem vale mil perguntas!

Disse, no 18o Seminário de Educação Infantil, André Carrieri, consultor de Educação e Comunicação.

Essa frase inspirou a preparação de material para reunião de reflexão com professores em formação.

Para elaborar o material utilizamos as fotografias das propostas de atividades desenvolvidas em sala, com professores e suas turmas, na etapa das práticas da formação em serviço.

REolhamos, selecionamos, recortamos e remontamos as fotos e vídeos para despertar nos professores olhares amplos, investigativos e curiosos sobre o que aconteceu naqueles momentos.

Esse processo de reflexão sobre o registro e avaliação do que aconteceu, fez brotar muitas constatações inéditas e … um sem número de perguntas! Continue lendo “Registro fotográfico: muito mais do que documentar!”

Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2

Registro e Planejamento na Educação Infantil: é um assunto que não se esgota! O que e quem observar? Dá para ver e anotar tudo de todos? O que fazer com esses registros? Vamos pensar juntos? (PARTE 2)

Planejamento Registro e Reflexão

Na primeira parte desse post abordamos o olhar para o Registro. Pensamos num roteiro para orientar a percepção do que registrar durante o desenvolvimento das propostas:

  • perceber o grupo no coletivo
  • olhar as crianças individualmente
  • notar o aproveitamento de espaços e materiais
  • identificar as pesquisas, interesses e contribuições das crianças

Propomos o desafio de experimentar seguir o roteiro e realizar anotações sobre as atividades que o professor já tivesse planejado.  Continue lendo “Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 2”

Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 1

Registro e Planejamento na Educação Infantil: é um assunto que não se esgota! O que e quem observar? Dá para ver e anotar tudo de todos? O que fazer com esses registros? Vamos pensar juntos? (PARTE 1)

Registro e Planejamento na Educação Infantil: esse é um assunto que não se esgota!

Experimente o Olhar - Registro na Educação Infantil

A infância tem seus ritmos. Que oscilam como as fantasias de um faz de conta. Reconhecemos as potencialidades das crianças e sabemos que podemos ampliar seus repertórios culturais, contribuir com o aprofundamento de suas pesquisas e trazer para a creche muitos conteúdos e experiências…

…mas quais?

Quando? Em que momento podemos ou devemos interferir?

Qual a dimensão daquilo que podemos considerar “currículo” de trabalho na infância?

Essas perguntas já foram feitas, respondidas e refeitas. Ainda assim, a prática do dia a dia parece se impor às demandas e aos projetos inspirados nos interesses dos pequenos. Aí professores e turmas são atropelados pelos horários determinados, arrumações, limpezas de sala e uma logística de materiais que prevê antecipação.

E assim… bate aquela sensação de frustração. Porque somos cuidadores e professores! Reconhecemos que as crianças aprendem em todas as situações e momentos da rotina, mas queremos ir além e trazer mais conteúdos culturais e de interesse para a turma. Quando não conseguimos viabilizar esse tipo de trabalho nos sentimos frustrados e abatidos.

Se você acompanhou até aqui essa trajetória de pensamentos, já percorreu uma trilha de reflexões. Isso representa empenho para buscar novas formas de olhar e, consequentemente, de pensar a sua Rotina.

Num post publicado em duas partes vamos sugerir um roteiro para guiar a ação de registrar e refletir sobre as atividades que você já planejou e ainda não desenvolveu. É começar pelos REGISTROS, isso mesmo! Sem mudar nada do que você vem fazendo, por enquanto. É passar a registrar o seu dia a dia com as crianças, porque … Continue lendo “Um roteiro para começar registro e planejamento – parte 1”

Na prática: a documentação pedagógica, relatos, registros e reflexões

Documentação Pedagógica, relatos, registros e reflexão. Mas como é isso na prática? Existe consenso? Afinal, o que fazemos com todo esse material? O Blog Tempo de Creche descreve uma atividade real para trabalhar essas questões e acender as discussões!

Todos falam sobre isso!

Mas como é isso na prática? Existe consenso? Afinal, o que fazemos com todo esse material?

Na descrição de uma atividade prática formativa, realizada pela equipe do Blog na creche da Associação Nossa Turma, levantamos elementos para acender essa discussão e colocar mais lenha na fogueira!

caderno de planejamento Para começar a conversa, podemos pensar na referência da metodologia de Reggio Emilia. Nas escolas italianas de Reggio, os registros fotográficos, em vídeo, escritos na forma de relatos, as transcrições dos comentários das crianças e, quando existem, as produções delas, compõem a documentação pedagógica. Mas todos esses recursos partem da observação das crianças como forma de levantar e conhecer suas capacidades, as relações, os modos de agir, como elas pensam quando trabalham em grupo e individualmente e as particularidades que emergem de cada uma.

registros de Reggio EmiliaIsso tudo sem padronizar! Ainda na visão de Malaguzzi (idealizador da metodologia) cada professor vê diferentemente porque vê com a sua cabeça e o seu coração. Cada um de nós traz sua história, suas experiências, religião e a sociedade em que nascemos e vivemos. Cada um de nós enxerga com uma cultura própria e, portanto, observa aquilo que quer e deseja ver. Por isso, o pedagogo italiano recomenda que esse processo seja realizado por duas pessoas.

É perfeitamente legítimo. Mas é prático na nossa realidade? Pode ser! Se não a todo o tempo, podemos organizar para que o processo de registro ocorra com mais de um educador em certos momentos. Combinar com a coordenadora, a auxiliar ou professora volante para que observe e faça seus próprios registros, traz riqueza e amplia o olhar quando compartilharmos os dados e refletirmos.

Outra dica de Malaguzzi é levantar com as próprias crianças suas memórias e interpretações do que foi trabalhado e registrar essas informações. Desse modo, o olhar do professor também se multiplica e se amplia com outras visões.

Segundo Malaguzzi, o professor que sabe como observar, documentar e interpretar os processos, se conscientiza de seus potenciais como aprendiz, aprendendo a ensinar. Continue lendo “Na prática: a documentação pedagógica, relatos, registros e reflexões”

Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça

Vamos falar objetivamente: 7 caminhos que levam ao REGISTRO feito com alma!

cartaz de registro do professor

Secretarias de Educação tem desenvolvido um trabalho formativo no sentido de promover (e cobrar!) o registro e documentação pedagógica das ações do educador e suas consequências no dia a dia da educação infantil para que, ao serem compartilhados com as famílias, pais e responsáveis possam acompanhar de perto a vida de seus filhos nas creches.

Tomando a posição das famílias, que às vezes carregam certa culpa por estarem longe das suas crianças por quase todo o dia, é muito reconfortante poder contar com uma intimidade, uma proximidade daquilo que acontece com nossos pequenos.

Na esfera administrativa ou na pedagógica o registro de atividades não é uma novidade na educação. No entanto, o REGISTRO tem uma dimensão muito maior! E só vai alcançar essa dimensão se fizer parte da ação rotineira e da crença em seus benefícios por parte do educador. Continue lendo “Registro e Documentação Pedagógica: da dor de cabeça ao papo cabeça”

Por que fazer registro?

Registros pedagógicos são muito mais do que um recurso formal de comprovação dos trabalhos realizados com as crianças para atender às solicitações da coordenação, dos pais e até das supervisoras das instituições públicas de educação. Acompanhe esta matéria e entenda a dimensão desse tema.

caderno de registros do professor

Muitos educadores veem os registros como um recurso formal de comprovação dos trabalhos realizados com as crianças para atender às solicitações da coordenação, dos pais e até das supervisoras das instituições públicas de educação. 

balão de perguntaSerá que é só isso?

Os registros, quando realizados com liberdade e até criatividade podem alimentar o educador e fazê-lo crescer na sua visão e percepção dos processos de aprendizagem e desenvolvimento das crianças. E em seu próprio repertório profissional. Continue lendo “Por que fazer registro?”

Gisa Picosque fala sobre a importância de fazer registros e sua arte

Acompanhe o post “Palavra de…” sobre REGISTROS, com a arte-educadora Gisa Picosque. Ela valoriza o registro como recurso pedagógico porém defende a liberdade do formato.

Foto Gisa PicosqueA arte-educadora Gisa Picosque valoriza o registro como recurso pedagógico porém defende a liberdade do formato. Quem conhece seus cadernos de registro reconhece neles uma conversa com a arte! 

Para aprofundar o assunto, acesse o post Por quê fazer registro?

Tempo de Creche – Como introduzir a prática do registro na Educação Infantil?

Gisa – O registro, por ser um instrumento metodológico da vida pedagógica do professor(a), não pode ser olhado como uma obrigação ou exigência institucional. Cuidadosamente, um coordenador(a) pedagógico pode ajudar os professores ao exercício do registro, começando a problematizar algo ou alguma coisa do processo que acontece em sala de aula. Ou seja, problematizando o olhar do professor(a), a observação. Uma pergunta que possa gerar a observação do professor(a) e o registro dessa observação pode ser o começo desse exercício. É importante que a pergunta, o ponto a ser observado, não seja genérico; mas seja um foco específico. Não olhamos tudo de uma vez. Não registramos tudo o que acontece em sala de aula. Precisamos olhar diferentes aspectos em sala de aula: o grupo, o conteúdo, a atuação como professor…  A escolha de um aspecto, contribui para que ocorra a observação e o registro reflexivo. Afinal, observar e registrar é o percurso para a reflexão sobre o fazer pedagógico e o fazer-se educador. O registro é uma investigação.   

Tempo de Creche – Você tem sugestões de formato?

Continue lendo “Gisa Picosque fala sobre a importância de fazer registros e sua arte”