O que dizer sobre o “Projeto Natureza”?

Natureza não é projeto, é conteúdo pedagógico de desenvolvimento infantil. Como trabalhar essa questão?

pés na terraNatureza não é tema de projeto! É um conteúdo pedagógico tão fundamental ao desenvolvimento das crianças quanto o desenho, a leitura e outros. Natureza: sol, ar puro, plantas e animais… Este contato é importante para a formação dos pequenos tanto do ponto de vista biológico-físico como para a saúde mental.

(…) não temos a pretensão de fixar prematuramente as formas de uma vida escolar em que a grande lei pedagógica é o dinamismo. (Celéstine Freinet)

Os ambientes naturais, cada vez mais escassos, são os responsáveis pela nossa existência. As crianças precisam se desenvolver neles para compreenderem que não é possível viver com qualidade na sua falta ou degradação. Já pensou a Terra, daqui a alguns anos, com jovens que continuam a depredar e acreditar que podem sobreviver sem a Natureza? Escola da Floresta - InglaterraContudo, a sobrevivência do planeta é só um lado dessa questão. A abordagem das Escolas da Floresta, estudada desde a década de 1950, já comprovou que o contato com os ambientes naturais promove desenvolvimento integral de qualidade nas crianças (leia mais sobre essa abordagem na postagem Escola da Floresta: crianças, Natureza e aprendizagem). Atividades como fazer vasinhos de feijões, trazer um tatu-bola para a sala, ou pintar folhas, não substituem o contato mais íntimo e legítimo com a Natureza. Seria o mesmo que conhecê-la por meio de fotografias! Sentir de perto a grandeza e as formas das árvores e outras plantas, perceber a conexão entre solo, fauna, flora e clima, cheirar os diversos cheiros, sentir as texturas, perceber as transformações e se colocar por inteiro nesse universo são experiências insubstituíveis.

atividades de Natureza Educação Infantil
Isso é entusiasmante! Coordenadores e professores poderiam incluir atividades diárias nos ambientes externos com plantas, terra, animais e ar livre… se eles existirem na creche ou próximos à ela! É fato que os governos municipais e federal não exigem espaços com área verde ou o acesso a parques e matas próximas para a instalação de unidades de Educação Infantil. Porém, existe indicação e até mesmo cobrança sobre essa questão nos atuais instrumentos de avaliação das creches. Então… como conciliar a incoerência? Muitas instituições não possuem áreas de natureza porque não tem nem espaço para brincar ao ar livre. Mas algumas creches e escolas tem áreas externas que são totalmente cimentadas ou com grama sintética!!! Quais vivências os pequenos terão experimentando somente o chão com seus pezinhos? Suas vidas se resumirão a sentir o plástico e os materiais sintéticos?

Propomos aqui uma reflexão: Que tal destinar parte dessas áreas a pequenos canteiros com terra de verdade, algumas plantas e uma pequena árvore frutífera? Que tal agregar alguns vasos com plantas diversas, caixas d’água com hortinhas e caixotes para coleções de materiais naturais coletados em outros locais? Será possível aproveitar aquele canteiro decorativo, que está presente somente para enfeitar uma entrada, e transformá-lo num espaço de experiências?

Canteiros como espaço de experiencias na educação infantil
Organizando o espaço, a equipe passa a considerá-lo como um ambiente pertencente à rotina dos pequenos, como o pátio, a brinquedoteca, o ateliê, o refeitório etc.. Balão-na-PráticaVamos ver como isso pode funcionar de forma adaptada, conhecendo os materiais e os princípios das Escolas da Floresta.

Captura de Tela 2016-02-18 às 16.56.50Captura de Tela 2016-02-18 às 16.57.12 Circulo do Fogo - Escola da Floresta subindo em árvore
Quanto ao planejamento de propostas, é preciso lembrar que estamos buscando formar aprendizes independentes e autônomos, inspirados em desenvolver suas próprias ideias, explorar seus interesses e experimentar novidades. Captura de Tela 2016-02-18 às 17.11.53 brincando no canteirohortas na educação infantil elementos da natureza
dica
É muito provável que nos primeiros contatos com o espaço, os recursos naturais e os materiais as crianças fiquem agitadas e não se concentrem nas intervenções e orientações dos professores. Isso é esperado. Os pequenos estão conhecendo o novo, pensando nas milhares de possibilidades de pesquisas e brincadeiras. Estão sentindo o ar, identificando o que a professora vai ou Ferramentasnão permitir e procurando levar toda aquela novidade para dentro de si – coisa de corpo mesmo! Por isso, é preciso ir com calma nas propostas e nas expectativas. No início deixar a livre exploração acontecer. Em outras oportunidades, ir introduzindo as ferramentas uma a uma, e, finalmente, apresentar as possibilidades mais “arriscadas” como manusear ferramentas complexas e acompanhar as propostas com o fogo. Apesar da “naturalidade” desses ambientes, para muitos pequenos tudo é inédito, mas dando tempo ao tempo, certamente as crianças abraçarão a Natureza porque combinam perfeitamente com ela.

♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦♦

Balão-Para-Saber-MaisLeia mais sobre esse tema na postagem Natureza, riscos e brincadeiras numa discussão que dá o que pensar As crianças na natureza E complemente o conteúdo lendo Campos de experiências todos os dias! e Repetir propostas para crianças. Será?

Referências:

  • Forest School Handbook – Burys Court School & Little Berries Nursery, Moon Hall Schools  Educational Trust, 2012
  • Developing a Forest School in Early Years Provision, Jenny Doyle and Katherine Milchem
  • Impacts o Long Term Forest School Programmes on Children’s Resilience, Confidence and Wellbeing, Sarah Blackwell
  • This is our classroom,  A teacher’s guide to Forest School at Kent Country Parks

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *