Palavra de… Edith Derdyk: o desenho do gesto e dos traços sensíveis

Edith Derdyk nos fala do novo olhar para o desenho da criança no contexto da arte contemporânea: o desenho que ultrapassa barreiras de modelos e normas formais para contar sobre as sensações e gestos de quem os produz.

Edith Derdyk nos fala do novo olhar para o desenho da criança no contexto da arte contemporânea: o desenho que ultrapassa barreiras de modelos e normas formais para contar sobre as sensações e gestos de quem os produz.

Tanto em suas palavras como em seus trabalhos, a linha marca a pesquisa na arte de Edith Derdyk e nos convida a brincar com nosso olhar e gesto.
VIÉS – DVDteca Arte na Escola

Tempo de Creche – O que o desenho conta sobre a criança?

Edith – O desenho é linguagem que atravessa todos os tempos – das cavernas à informática – sempre esteve presente na História da Civilização. E, de todas as linguagens, é a mais antiga. Tal como a pantomima*, são linguagens nascentes.O desenho é linguagem inata: toda a criança, de qualquer tempo e lugar, desenha. Toda criança possui intimidade com o desenho como ponte de investigação, expressão e comunicação com o mundo. Existe uma proximidade imensa e natural entre o ato de desenhar e a ação corporal mais do que com o quê a criança deseja ou pensa em “representar”. Num primeiro momento do desenvolvimento da aquisição da linguagem do desenho, a criança é verdadeiramente o seu gesto, o seu traço, o seu movimento e o desenho é resultante desta ação, registrando o percurso do movimento do corpo no espaço do papel, na parede, em qualquer superfície.

desenho final

Seguindo por esta trilha de investigação, talvez possamos refletir um pouco mais sobre como a criança desenha e menos com o quê o desenho conta sobre o que a criança é! Esta diferença entre “como a criança desenha” e “sobre o quê ela desenha” ou “o quê o desenho conta sobre a criança” são limites sutis e avassaladores, pois o modo como se desenha revela qual o modelo de desenho que nos habita. E cada modelo de desenho traz, consigo, um conjunto de conceitos, ideias, atitudes e procedimentos. Talvez pudéssemos inverter a pergunta e enunciar que o sujeito que desenha – seja criança, seja adulto – , é quem reinventa o que um desenho é e pode ser!
[*pantomima = mímica]

Tempo de Creche -Houve mudança histórica na maneira de ver a aprendizagem do desenho?

Edith – Os modelos de desenho são pressupostos que existem “a priori” e, nos quais, nós, adultos e educadores, nos alinhamos.

Se pensarmos no modelo neoclássico de desenho, ou seja, o desenho oriundo da Missão Francesa no Brasil, século XIX, que influenciou por muito tempo, e ainda influencia, o modo de ensinar o desenho na “academia” e, consequentemente, nas escolas, o desenho se baseia na noção da linha como contorno, e a forma representada como se fosse um duplo do real. Claro que com este modelo de desenho orientando o modo de desenhar – seja criança e adulto -, é frequente ouvirmos a expressão “não sei desenhar”, pois o desenho que se tem como modelo é um desenho virtuoso onde a linha é um elemento submisso à forma ideal. Portanto desenhar “à maneira neoclássica” nos  sugere que o sujeito (criança e adulto) que desenha está submetido à uma  ideia de representação, onde perceberemos menos o sujeito que desenha e mais os  “cânones” que regem a ação de desenhar em busca da forma ideal.

desenho final 3Mas, se pensarmos no desenho que a Arte Moderna nos traz como modelo de desenho, a linha é mais liberada, mais expressiva e fiel às sensações do sujeito. A linha apresenta o gesto, o traço, sua potência expressiva e a sensibilidade de quem desenha. O sujeito – seja criança, seja adulto – ali se revela.

Se nos remetermos aos modelos contemporâneos, o desenho é entendido como registro da ação sensível do pensamento, o desenho é entendido como um campo dos acontecimentos processuais, onde cada traço é sinal do pensamento. Portanto, necessito, como artista e educadora, compreender que o desenho, esta linguagem tão antiga e tão permanente, por sua natureza ágil e veloz na maneira de capturar nossas sensações, percepções e pensamentos, pode ser o recado de um modo de pensar a vida que habita o ser, pode ser os indícios de um corpo vivo de experiências – seja de crianças, seja de adultos, seja educandos ou educadores.

Tempo de Creche – Como perceber o que a criança expressa por meio do desenho?

Edith – Quando o desenho ainda não tem uma função didática, representacional e “ilustrativa” do mundo e é simplesmente uma forma de expressão através de gestos traçados nas superfícies através de instrumentos, a criança desenha tal como anda, respira e fala! Antes ainda do desenho se configurar como linguagem “reconhecível”, isto é, quando os desenhos e os signos visuais possuem nomes e tem o poder de narrar histórias contáveis, a linha traçada – elemento constitutivo do desenho -, traduz originariamente as sensações e percepções vivas da criança que ainda nem se preocupa em representar figuras e desenhar “bonito”. Desenhar bonito significa corresponder a um campo de expectativas e resultados! O traço, fruto da ação corporal, revela, pelo modo da linha ser desenhada, os impulsos e intensidades da criança que desenha. Podemos deduzir, então, pelas qualidades expressivas da linha e suas variações (leve, retorcida, forte, circular, tracejado, etc.) como a criança sente e percebe e se percebe no mundo. A linha é, sobretudo, informação de sensibilidades inteligíveis e inteligibilidades sensíveis. E sensibilidade faz parte de um corpo pensante e atuante!

desenho final 5A criança, ao passar pelo processo da alfabetização formal, o mesmo instrumento – o lápis, por exemplo – que ela usava como puro deleite da expressão sem finalidade, passa a ser utilizado de maneira funcional onde existe a necessidade de controle corporal para desempenhar a escrita – é quando o olho comanda o caminho da linha. Atualmente, as crianças, antes de serem alfabetizadas, já tem acesso aos meios digitais que acabam informando o mundo através de imagens dadas e formatadas. Não temos ainda a dimensão do alcance da convivência incontinente destas imagens culturais na construção dos imaginários. Enfim, o desenho, quando assume apenas uma posição funcional e representacional, corre o risco de esvaziar um pouco sua potência poética, isto é, as linhas ficam submetidas ao poder da representação que acaba se sobrepondo às modalidades expressivas. A linha é esvaziada de sua força do traço sensível a favor das “mensagens cheias de conteúdos” a priori – “o que isto quer dizer?”- é a pergunta insistente do adulto ao ver um desenho de criança. Independentemente do desenho apresentar figuras, o que nos importa, sobretudo, é o modo como estas figuras são desenhadas, cujas linhas traçadas informam sensibilidades e os sentidos nascem destas imbricações – do modo como cada figura apresentada é desenhada, como a linha se expressa potencialmente através de suas intensidades e variações. Mas quando a linha se submete à função pragmática da comunicação, o traço que desenha nasce de um corpo conformado com um modelo anterior de desenho que solicita o cumprimento da comunicação de uma mensagem, ancorando um modelo representacional que vem antes de tudo, que existe antes mesmo do desejo da criança desenhar. Pronto! O desenho, enquanto potência expressiva, portador de um sujeito capaz de assumir sua singularidade através de seus traços que nascem de um corpo vivo, acaba se submetendo aos modelos de desenho onde imperam mais a ideia da “coisa” e menos o modo como se desenha a “coisa”. E para o adulto-educador interpretar e/ou ativar procedimentos criativos, precisamos reportar ao adulto e perguntar a ele que modelo de desenho se tem em mente. Com certeza, a resposta vai depender do campo de experiências que se tem como fonte de repertório. E por aí vai…………………

Tempo de Creche – Você tem algumas “dicas” para os professores trabalharem com desenho?

desenho final 6

Edith – A minha dica é: por favor, simplesmente desenhe! Experimente seus erros, suas dificuldades, o seu medo de fazer um desenho “feio”. Desenhe e descubra o inesperado, desenhe e deixe o desenho revelar, ele mesmo, algo que te surpreenda. Desenhe sem finalidade alguma, apenas desenhe, rabisque, deixe a linha descobrir todas as suas possibilidades. Depois busque na História da Arte os desenhos que os homens de todas as civilizações e eras já realizaram – com certeza, em algum momento, você vai se ver ali. E assim, a partir da escuta da produção artística já realizada em todo o arco da civilização humana, o educador irá afinar sua percepção estética para poder brincar de linhas junto com suas crianças e perceber que existem muitos modos diferentes do desenho existir em cada criança como também cada um de nós – seja criança ou adulto – temos a chance de desenhar de muitos modos diferentes.

Balão-crédito-imagensCréditos fotográficos

1 e 3 – butterfliesehurricanes.blogspot.com
2 – gostinhoinfancia.blogspot.com
4 – br_pinterest.com
5 – manmessias21.blogspot.com
6 – www.danubecommission.org
 
1 e 2 – poesiacotidianabia.blogspot.com
 
1 – www.revistaescola.abril.com.br
 
1 – mundogamertizado.blogspot.com – detalhe
2 -http://rodadeinfancia.blogspot.com.br- detalhe
3 – http://rodadeinfancia.blogspot.com.br/2013_08_01_archive.html – detalhe2
4 – www.pequenopolisba.com.br/trocando-figurinhas/pintando-paredes/
5 – http://annabaer.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html  – Detalhe
 
 

Balão-Para-Saber-MaisLivros de autoria de Edith Derdyk

  • Formas de Pensar o Desenho, Editora Scipione/1988_Editora Zouk edição revisada e ampliada/2015
  • O Desenho da Figura Humana, Editora Scipione/1989
  • Linha de Costura, Editora Iluminuras/1997_Editora C/Arte/2010
  • Linha de Horizonte – por uma poética do ato criador, Editora Escuta/2002_Editora Intermeios_2010
  • Disegno.Desenho.Desígnio (organizadora), Editora Senac/2008
  • Entre ser um e ser  mil : o objeto livro e suas poéticas,Editora  Senac_2013

Livros infantis

  • Coisa com Coisa, Movpalavras /2015
  • A porta da Terra,Editora PandaBooks /2015
  • A  incrível História do dr.Augusti  Ruschi e os sapos venenosos (textoPaulo Tatit/ilustrações Edith Derdyk), Editora Melhoramentos/ 2014_indicação Prêmio Jabuti ilustração
  • Fábulas.Alegorias.Adivinhações, Editora SM /2012_Prêmio FNLIJ_Selo altamente recomendável
  • Todo mundo tem, Editora Hedra/2012

Para acessar  todos os livros: http://cargocollective.com/edithderdyk

EdithEdith Derdyk tem realizado exposições coletivas e individuais desde 1981 no Brasil e no exterior. Prêmios.Bolsas.Residências: 2015. PROAC_Incentivo à Literatura_Poesia; 2014. PROAC_Livro de Artista_2013. Residência_Can Serrat_Espanha; 2012_Prêmio Funarte Artes Visuais; 2007_ Residência_The Banff Centre_Canadá; 2002_Bolsa Vitae de Artes; 2002_Categoria Tridimensional _APCA; 1999_The Rockefeller Foundation_artista pesquisadora_Bellagio Center, Itália; 1993_Artista residente_MAC-USP/Vermont Studio Center_USA; 1990_ Bolsa Fiat_Artes Visuais.

Projeto atual: coordena a  plataforma Bagagem:caminhada como prática poética, envolvendo escrita, desenho e  fotografia . Acessar: http://bagagem-caminhada.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *