Como trabalhar a agressividade?

Tapas, empurrões, chutes e puxões de cabelo – como reagir nessas situações? O que fazer? Como entender a agressividade na primeira infância? Dicas e brincadeiras para lidar com essa questão.

BRINCADEIRA DE EXPRESSÕES

Tapas, empurrões, chutes e puxões de cabelo – como reagir nessas situações? O que fazer? Como entender a agressividade na primeira infância? Veja as reflexões, as dicas e brincadeiras para trabalhar essa questão.

No olhar da psicologia, a agressividade que se manifesta nos primeiros anos de vida é um comportamento normal. É uma espécie de reação que ocorre quando a criança está à frente de algum acontecimento que a faz se sentir frágil e insegura.

Assim, na primeira infância é comum as crianças expressarem desejos e frustrações por meio de comportamentos nada polidos e pouco aceitos, causando incômodo em todo o grupo.

balão de perguntaAlguns estudos*[1] entendem que a agressividade na Educação Infantil está cada vez mais presente:

  • pela falta de estrutura familiar
  • pela falta da atenção dos pais,
  • pela reprodução de atitudes presenciadas,
  • e nas tentativas de atrair atenção para si.

balão de perguntaNo ambiente da educação também cabem algumas reflexões:

  • Como a instituição analisa as ações de sua própria equipe com as crianças?
  • Temos consciência de quais atitudes são favoráveis ao aparecimento de frustrações nas crianças?
  • Os educadores trabalham a autonomia das crianças e a construção do respeito pelo outro? Ocorre interação entre crianças de idades diferentes? Como ela é?
  • Quanto a estrutura da rotina e a organização das atividades permitem a expressão e a manifestação dos desejos e estados de espírito das crianças?
  • A turma fica muito restrita às salas? O corpo tem espaço para se movimentar, para experimentar e para interagir?

Conforme o documento Orientações Curriculares[2] de (2007) da prefeitura de São Paulo, é por meio de seu agir, na relação com os outros (grandes e pequenos), que as crianças poderão compreender suas emoções e sentimentos e organizar seus pensamentos, assim como ter iniciativa e buscar soluções para os desafios, problemas e conflitos.

Uma situação comum da rotina que pode desencadear atitudes mais agressivas ocorre quando o educador apresenta uma proposta de trabalho e não há espaço para a escuta e o respeito dos desejos das crianças. Aceitar o estado de espírito das crianças que não querem participar de uma ou outra proposta também pode contribuir para a construção de um ambiente tranquilo e respeitoso.

A valorização das atitudes positivas das crianças (mais agressivas ou não) contribui para a melhoria das relações. Evidenciar os comportamentos favoráveis com expressões faciais alegres e verbalizando elogios para que todos ouçam, são boas estratégias. E, ao mediar as situações de conflito, ser discreta para não chamar a atenção dos que não estão envolvidos. Mas é importante o esforço e o comprometimento de toda a equipe da creche com a percepção e a valorização dessas atitudes para que a transformação seja efetiva.

Jogos e brincadeiras também são fortes aliados porque, dentro dos seus contextos, valorizam as boas relações ao favorecerem o espírito de grupo e a solidariedade.

Algumas brincadeiras são interessantes para trabalhar a agressividade:

balão laranjaQuando perceber que o clima está esquentando, leve o grupo para o pátio e proponha atividades de corpo, bem movimentadas.

BRINCADEIRAS DE CORPO

balão laranjaNa Escola Te-Arte, a educadora Therezita Soares Pagani instituiu uma Fábrica de Tintas no pátio. No início do processo, as crianças batem com martelinhos, em tijolos, pedras, isopor e outros materiais transformando-os em pó que será peneirado para fazer tintas e outros materiais para as atividades de artes visuais. Quando as crianças desejam ou se estão nervosas e agressivas, é sugerido que fabriquem um pouco de tinta! Funciona!!!

balão laranjaOutra brincadeira interessante é Chuva de Papeis, proposta feita com revistas velhas e jornais e o convite para a turma rasgar os papéis. É rasgar, rasgar e rasgar! Quando esgotarem o exercício, proponha juntar todos os pedacinhos numa caixa, balde ou sacola e, reunindo o grupo, jogar os papeis para o alto fazendo uma linda chuva de papeis! Pode repetir a chuva muitas vezes.

BRINCADEIRA DE CHUVA DE PAPEL PICADO

balão laranjaBrincar com as expressões é outra alternativa lúdica. Nomear os sentimentos e expressá-los é um ótimo exercício e uma experiência de autoconhecimento. Desenhar carinhas com expressões ou recortar fotos de revistas pode compor um jogo de expressões de tristeza, alegria, raiva, medo, susto e gargalhada, entre outras.

BRINCADEIRA DE EXPRESSÕES

No geral, desenvolver uma ideia de grupo e a tolerância entre as crianças é um caminho seguro para minimizar as manifestações de agressividade, aprendendo a respeitar o outro e desenvolvendo um sentimento de pertencimento ao coletivo.

[1] Como por exemplo, A AGRESSIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O JOGO COMO FORMA DE INTERVENÇÃO. CANDREVA e outros da revista Pensar a Prática, UFG. [v. 12, n. 1 (2009)].
[2] Orientações curriculares: expectativas de aprendizagens e orientações didáticas para Educação Infantil / Secretaria Municipal de Educação – São Paulo : SME / DOT, 2007.

 

Balão-Para-Saber-MaisLeia também no Tempo de Cheche: MORDIDAS: situações que demandam atenção e cuidado; Crianças e professores: vamos construir uma relações?

7 pensamentos em “Como trabalhar a agressividade?”

    1. Obrigada, Sara, pelo seu contato.
      Pela informação que você nos deu, a reação desta criança se dá quando quer algo que não consegue… E a questão que você nos coloca é como agir.
      Como sugestão, vamos propor um roteiro de reflexão para direcionar os diferentes olhares e as possíveis escolhas e encaminhamentos. Vale a pena uma troca entre toda a equipe para que a solução seja construída coletivamente.
      Sendo a agressividade, conforme sua leitura da postagem, uma espécie de reação que ocorre quando a criança está à frente de algum acontecimento que a faz se sentir frágil, insegura e, acrescentamos, frustrada, vale a pena identificar as situações e procurar registrar os diferentes momentos em que ocorrem.
      A creche construiu uma parceria com a família para buscar informações sobre o momento e tentar resolver a situação em conjunto?
      Quais estratégias já foram tentadas? Quais os resultados obtidos?
      São oferecidas oportunidades de escolha para ele e todas as crianças?
      Como é o vínculo dele com a escola? Com qual professor tem maior afinidade?

      Conforme o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil a criança, a partir de seu nascimento, vai gradativamente ampliando suas possibilidades de expressão e comunicação, na medida em que estabelece vínculos afetivos com adultos e crianças.
      Leia a postagem Birra ou o aprendizado de lidar com a expressão das emoções?
      Abraço!

    1. Silvio,
      Muito boa a sua preocupação!
      Seria interessante se você nos dissesse a idade da sua turma. Mas algumas questões são básicas ao trabalhar o respeito:
      1- O modelo de respeito certamente parte da referencia, no caso, o professor! Mantenha atitudes respeitosas que elas serão copiadas.
      2- Na ocorrência de conflitos, abra a situação para o diálogo. Se suas crianças forem muito pequenas, é bom ir traduzindo os sentimentos e os desejos: você está frustrado porque também queria brincar com o brinquedo? Você ficou zangado e bateu no amigo?
      3- Procure falar e conversar em tom baixo e respeitoso.
      Você pode nos contar algum acontecimento com a sua turma para a gente pensar em mais detalhes?
      Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *