Crianças agressivas. Como assim?

O que dizer sobre “crianças agressivas”? Elas estão reagindo a quê? Um caminho para olhar para a “agressividade” da turma e trabalhar a questão.

Como trabalhar com grupos de crianças agitadas? Qual deve ser o olhar do adulto para as “crianças agressivas”? “Crianças agressivas” são assim tão comuns? É possível colocar todos os pequenos no mesmo ritmo? Partindo do pedido de ajuda de uma professora, vamos conversar sobre isso.

Recebemos mensagem de uma leitora apreensiva com algumas crianças de sua turma de 3 anos: preciso de algum texto que fale sobre comportamento muito difícil em crianças do maternal 2, entre 3 e 4 anos… Preciso na verdade de dicas de “ações – atividades” para trabalhar com o meu grupo de 17 crianças de uma comunidade carente e violenta… (S.O.)

Essa é uma situação que causa inquietação, mas é mais comum do que gostaríamos. Vamos percorrer um caminho que possa inspirar soluções consistentes.

Primeira parada: “estamos”, e não “somos”!

Sabe aquela fase em que passamos por situações complicadas e não somos compreendidos? Ficamos nervosos, agressivos e rabugentos, não é mesmo? Mas essa situação é transitória, porque, na verdade, não SOMOS rabugentos ou nervosos, simplesmente ESTAMOS assim.
Com as crianças é a mesma situação. A não ser que haja algum distúrbio de humor, como ocorre com os adultos, as  crianças quando estão “agressivas” ou “violentas”, na verdade, estão atravessando momentos difíceis e frustrantes. Uma vez que reagem dessa forma e são ouvidas, acabam por incorporar o comportamento. Continue lendo “Crianças agressivas. Como assim?”

Ciranda de Filmes 2015

Em 2015, o Instituto Alana vai realizar a segunda edição do Ciranda de Filmes!

Instituto Alana comunica que em 2015 vai ter mais Ciranda de Filmes!

Ciranda de Filmes 2014-1

Em 2014 foi realizado a 1ª Ciranda de Filme, no Cine Cultura em São Paulo, com foco na infância, aprendizagem e transformação, que proporcionou aos participantes a oportunidade de assistir alguns dos melhores filmes sobre a infância, ouvir boas colocações nas rodas de conversas com temas pertinentes a proposta e muitos momentos de troca de suas experiências e aprendizados.

Para fechar o festival, foi apresentado o filme Sementes de nosso quintal, de Fernanda Heinz Figueiredo. A equipe do Tempo de Creche recomenda este filme como uma inspiração para a Educação Infantil e como um poderoso estímulo à reflexão. A equipe do blog apresentou o filme com um roteiro de discussão e reflexão num workshop formativo na creche da Associação Nossa Turma, e disponibiliza a proposta desse trabalho e dá dicas de como solicitar uma cópia do filme na produtora AIUÊ.  Leia Sementes do Nosso Quintal – um filme lindo e um ótimo recurso para reuniões e paradas pedagógicas.

A mostra de 2014 foi realizada no Conjunto Nacional, SP, onde se encontrava a exposição Território do Brincar, da educadora Renata Meirelles, que fez um depoimento interessante para o blog sobre a importância do brincar em tanques de areia na infância em  Renata Meirelles fala sobre tanque de areia e o tempo do brincar.

Perceber o universo da Educação no Brasil e no mundo por meio da arte do cinema foi uma experiência engrandecedora. Vamos aguardar ansiosamente a versão de 2015!

Como trabalhar a agressividade?

Tapas, empurrões, chutes e puxões de cabelo – como reagir nessas situações? O que fazer? Como entender a agressividade na primeira infância? Dicas e brincadeiras para lidar com essa questão.

BRINCADEIRA DE EXPRESSÕES

Tapas, empurrões, chutes e puxões de cabelo – como reagir nessas situações? O que fazer? Como entender a agressividade na primeira infância? Veja as reflexões, as dicas e brincadeiras para trabalhar essa questão.

No olhar da psicologia, a agressividade que se manifesta nos primeiros anos de vida é um comportamento normal. É uma espécie de reação que ocorre quando a criança está à frente de algum acontecimento que a faz se sentir frágil e insegura.

Assim, na primeira infância é comum as crianças expressarem desejos e frustrações por meio de comportamentos nada polidos e pouco aceitos, causando incômodo em todo o grupo. Continue lendo “Como trabalhar a agressividade?”