Olhar do professor: 12 escalas do brincar

Dá para classificar as brincadeiras infantis? 12 escalas do Brincar podem ajudar o professor a acompanhar as brincadeiras e suas aprendizagens.

brincando com pneusDá para classificar as brincadeiras infantis?
Brincar de mexer. Brincar de pular. Brincar de dançar. Brincar de desenhar. Brincar de comer. Brincar de construir. Brincar de casinha. Brincar de carrinho. Brincar de jogar. Brincar de rir… brincar de brincar.

Os brincares são intensos, variados, criativos e evoluem à medida que são brincados. Essa é a grande matéria prima da infância. Criança é feliz quando brinca e exercita as relações. Assim, esse estado de graça faz com que aconteçam aprendizagens e desenvolvimento.

Continue lendo “Olhar do professor: 12 escalas do brincar”

Natureza, riscos e brincadeiras numa discussão que dá o que pensar

Educadores falam sobre a liberdade das brincadeiras, a importância dos ambientes naturais na infância e os riscos que devemos permitir às crianças durante o brincar. Propomos acender uma discussão!

Educadores falam sobre a liberdade das brincadeiras, a importância dos ambientes naturais na infância e os riscos que devemos permitir às crianças durante o brincar. Propomos acender uma discussão! Fizemos uma pesquisa e reunimos o que temos ouvido nos últimos meses em seminários e mostras.

brincadeiras arriscadas de criança

Segundo Andrew Swan, estudioso do brincar, hoje as crianças são vistas como porcelanas, avessas a riscos, Consequentemente, as oportunidades REAIS de brincar quase não se apresentam mais. As ruas foram abolidas dos espaços da brincadeira infantil e os parquinhos estão cada vez menores ou desaparecendo. A minimização dos riscos levou a criança a espaços estéreis, artificiais e monótonos.

Essa situação despertou num grupo cada vez maior de pesquisadores e defensores de uma infância saudável, a criação de um conceito: a SÍNDROME DO DÉFICIT DE NATUREZA

A falta do convívio com ambientes naturais e seus desafios levou esse grupo ao seguinte questionamento: Continue lendo “Natureza, riscos e brincadeiras numa discussão que dá o que pensar”