O que precisamos dar para as crianças brincarem?

O que as crianças pequenas precisam para brincar? Vamos conhecer algumas experiências com brinquedos não estruturados?

Muito se fala sobre as crianças e seus aprendizados.  Dispomos de pesquisas e indicações sobre materiais para brincar que aguçam o interesse das crianças…

Balão-Dúvida-pO que as crianças pequenas precisam para brincar?

Em artigos recentes, os temas brincadeiras e brinquedos trouxeram à tona questões que continuam na pauta das polêmicas a respeito da infância.

Uma dessas notícias comenta a experiência de um Jardim de Infância da Noruega*, um país com indicadores altos de qualidade de educação. Com a retirada de brinquedos estruturados (aqueles comprados prontos!) da escola, as crianças passaram a usar nas salas caixotes, tecidos, almofadas, mesas e cadeiras, e,  nos pátios, somente os aparelhos do playground e a natureza.

E qual foi a reação das crianças?

Além de não reclamarem a falta dos brinquedos prontos e estruturados retirados, as crianças usaram mais a imaginação, transformaram os materiais disponíveis, as brincadeiras duraram mais tempo e surgiram muito menos conflitos, pois as crianças estavam desafiadas, ninguém era dono de nada e tudo estava na fantasia!

C’est Pas du JeuO documentário C’est Pas du Jeu (Não é brincadeira) apresentado na primeira edição do Ciranda de Filmes (festival de cinema dirigido à infância, aprendizagem e transformação), mostrava períodos de recreio num pátio de uma pré-escola francesa, onde 100 crianças, de 3 a 5 anos,  brincavam num espaço livre. Muito livre! Só eram visíveis alguns bancos, poucas árvores, um brinquedão, paredes com pinturas e mosaicos, as janelas e portas do prédio antigo. Os momentos filmados capturaram seis meses do período letivo, percebidos por conta da mudança de roupa das crianças. Em uma ou outra ocasião, as crianças brincavam com uma bola. E só! Sem sofisticação, sem casinhas de boneca rebuscadas, sem quadras, sem trilha sonora, sem efeitos especiais, sem enfocar a intervenção dos adultos. Continue lendo “O que precisamos dar para as crianças brincarem?”

Território do Brincar – num filme de brincadeiras, dicas para brincar com os olhos e o coração!

No filme Território do Brincar possibilidades para trabalhar formação e dicas de 3 brinquedos tradicionais incríveis para os pequenos!

Filme Território do BrincarNa abertura da mostra de cinema com foco na infância, Ciranda de Filmes 2015, pudemos conhecer o Território do Brincar de Renata Meirelles e David Reeks. Uma poesia cinematográfica que atiça os diversos sentidos dos entusiastas da infância. Com fotografia precisa e encantadora, os olhos se enchem de beleza. A edição sensível conversa com a nossa memória e a trilha sonora sedutora do Grupo Uakti embala uma viagem para outros mundos e para o nosso próprio.

O filme vale ser visto e discutido em encontros de educadores e numa conversa de colegas no final de semana.

Entre as dezenas de brincadeiras mostradas pelas crianças filmadas por todo o Brasil, pudemos destacar três adequadas e desafiadoras para o universo da Educação Infantil. Continue lendo “Território do Brincar – num filme de brincadeiras, dicas para brincar com os olhos e o coração!”

Exposição apresenta brinquedos artesanais

Exposição Brinquedos à Mão – Coleção Sálua Chequer, de 11 de outubro a 7 de dezembro, Na Caixa Cultural São Paulo,com 900 objetos lúdicos comuns na infância e ainda presentes nas comunidades interioranas brasileiras.

A Caixa Cultural São Paulo apresenta, de 11 de outubro a 7 de dezembro, a exposição Brinquedos à Mão – Coleção Sálua Chequer, com mais de 900 objetos utilizados pela infância de antigamente e ainda presentes nas comunidades interioranas do Nordeste brasileiro.Sálua, que assina a curadoria do evento com o artista plástico Zé da Rocha, exibe seu acervo em São Paulo pela primeira vez.

Brinquedos à mãoAs crianças que forem à exposição poderão saciar a vontade de brincar no espaço chamado de Cantinho do brincar, com objetos lúdicos como cinco marias, pula corda, gudes, piões, dentre outros. As peças são brinquedos feitos à mão por artesãos de comunidades interioranas do Nordeste. “Eu sou nordestina e comecei a comprar os objetos há 20 anos. No começo, eu tinha umas 50 peças. Hoje, tenho mais de mil”, relata a colecionadora, que já levou a mostra às cidades de Salvador e de Curitiba.

barrinha colorida fininhaSálua Chequer

Colecionadora e pesquisadora de cultura popular desde 1980. A paixão de Sálua pelos brinquedos remonta à sua própria infância na região cacaueira da Bahia. A colecionadora atribui sua admiração pelo universo dos brinquedos populares à dedicação, o cuidado e o longo tempo dispendido pelos artesãos para criar objetos simples e, ao mesmo tempo sofisticados, que para serem utilizados exigem o contato físico e o manuseio das crianças.

Fonte: Folha de São Paulo on line, 12.10.2014