Coordenador-formador e seus professores-alunos

O coordenador cobra de seus professores planejamento, organização, registro e reflexão. Mas faz o mesmo ao assumir seu papel de professor dos professores?

Na semana que passou Madalena Freire me fez pensar sobre a relação do coordenador e do formador com seus alunos-professores. Numa de suas provocações, ela trouxe uma pergunta que cutucou a cabeça: como o coordenador lida com seu papel de formador e professor de sua equipe de professores? O que ensinar para eles? Como ensinar? Podemos pensar em recursos, formatos e conteúdos, mas fundamentalmente esquecemos de três pilares estruturantes de todo o processo de ensino-aprendizagem: espaço + constância + propostas. Esquecemos de assumir que ensinar traz angustia e aprender dói. Porque só fazemos isso quando estamos incomodados e desejantes de algo que nos faz falta.

É inegável que o coordenador pedagógico, ao gerir sua equipe de acordo com a missão da instituição e o projeto político pedagógico, precisa assumir a função de professor: aquele que de fato ensina um grupo de pessoas com características únicas enquanto grupo e indivíduos. Quando o coordenador não se vê como professor, ele atua como gestor de burocracias e apagador de incêndios. E, certamente, os caminhos do ensinar-aprender da escola não se qualificam como um todo e perdem a personalidade e o contexto.

Ah! Mas tem as paradas pedagógicas mensais! Nos reunimos e colocamos tudo em dia!

Sim e não! Continue lendo “Coordenador-formador e seus professores-alunos”

Fernanda Heinz Figueiredo fala de Ciranda de Filmes, escolhas e poesia

Que tal aprender com Fernanda Heinz Figueiredo sobre cinema, educação e seleção de conteúdos? Saiba sobre a Ciranda de Filmes 2016

Fernanda Heinz Figueiredo é a idealizadora do Festival de Cinema Ciranda de Filmes . Com a cineasta Patrícia Durães, coordena o festival pesquisando, selecionando e compondo uma programação de filmes voltados para a infância. Temos muito a aprender com esse processo. Ao fazer a curadoria do festival, Fernanda seleciona os filmes a partir de temas, compõe uma grade com obras que se conversam e amplia o alcance dos filmes por meio de espaços de conversa com especialistas.

Selecionar e compor os registros do dia a dia com as crianças também é uma ação de curadoria. O que queremos comunicar? Quais reflexões queremos provocar? Como incluir o outro nesse processo?

Captura de Tela 2016-06-03 às 11.37.56

Conheça os bastidores do Ciranda de Filmes para se inspirar e aprender com a Fernanda. Continue lendo “Fernanda Heinz Figueiredo fala de Ciranda de Filmes, escolhas e poesia”

Uma parada para pensar: 5 reflexões sobre ser professor

Que tal uma jornada com 5 pontos de parada para se observar, pensar, mudar de direção e transformar estruturas… e fazer uma REFLEXÃO?

Mediação, produto, processo, brincadeira e conhecimento de mundo. Estes são conceitos que recheiam os livros de pedagogia e as formações. Sabemos o que eles significam? Pensamos nesses conceitos na prática diária?
Convidamos você para fazer uma parada! Stop! Vamos refletir? Vamos fazer uma parada para pensar.

Reflexão… uma palavra tão presente! Falamos muito sobre ela mas nem sempre caminhamos pelos seus significados.

  • Na Psicologia, refletir significa pensar sobre um tema.
  • Na Física, refletir é mudar de direção (percebemos isso quando mergulhamos metade de uma varinha numa piscina e vemos sua imagem distorcida).
  • Para a Matemática, a reflexão está relacionada a uma transformação geométrica.
  • Para os Programadores, reflexão é a capacidade de um programa observar ou modificar a sua estrutura

Uma “parada para pensar” que abraça todas essas ações, pode produzir transformações e novos comportamentos. Propomos uma jornada com 5 pontos de parada para se observar, pensar, mudar de direção e transformar estruturas. Continue lendo “Uma parada para pensar: 5 reflexões sobre ser professor”

Formação de professores: a relação entre a teoria e a prática pedagógica é possível

Há um abismo difícil entre a teoria e as práticas pedagógicas. Esse sentimento, às vezes, pode paralisar o educador. Como resolver?

A inquietação de uma leitora nos mobilizou a buscar pensamentos e opiniões de estudiosos sobre a Formação de Professores. Ela comenta que há um abismo entre a teoria e a prática pedagógica, difícil de ser enfrentado. Esse sentimento, às vezes, pode paralisar o educador que passa a repetir apenas o que já experimentou ou conhece.

Grupo de estudos pb

Nos documentos oficiais e, geralmente, nas propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil, é possível analisar a visão de criança, suas capacidades e como ela aprende. Mas sabemos que as práticas educativas não são homogêneas, mesmo a partir dos avanços legais e dos estudos atuais sobre a infância. As metodologias partem de diferentes concepções teóricas sobre educação, criança, desenvolvimento cognitivo, linguagem, a cultura e a própria sociedade[1]. Destas definições deriva o papel de educador, sua capacitação e seus saberes. Continue lendo “Formação de professores: a relação entre a teoria e a prática pedagógica é possível”

O currículo integral e formação de professores na Educação Infantil

O currículo na Educação Infantil é a organização das práticas educativas: espaços, rotinas, materiais que disponibilizamos e as experiências com as linguagens verbais e não verbais que lhes serão proporcionadas e o acolhimento na instituição

Tempo de Creche conversou com Janaina Maudonnet, mestre em educação e especialista em educação em direitos humanos, sobre o currículo integral – ou holístico – e seu potencial nas descobertas da cultura e singularidade das crianças e as demandas na formação do professor na Educação Infantil.

Acervo pedagogia com a Infância

Tempo de CrecheO que é o currículo para a Educação Infantil?

JanainaAo tratarmos de currículo na Educação Infantil, estamos falando do modo de organizar as práticas educativas: os espaços, as rotinas, os materiais que disponibilizamos às crianças, as experiências com as linguagens verbais e não verbais que lhes serão proporcionadas e os modos de acolhimento na instituição.

A forma como organizamos essas práticas tem por trás ideias sobre a finalidade da educação, a maneira como os sujeitos aprendem, o que se deseja que eles aprendam, que tipo de homem queremos formar e para qual tipo de sociedade. Trata-se de uma prática complexa, que necessita de permanente reflexão por parte dos adultos que a oferecem. Continue lendo “O currículo integral e formação de professores na Educação Infantil”