JORNADA FORMATIVA – Encontros no Bairro: a criança em foco

Jornada formativa: Encontros no Bairro, uma parceria Escola do Bairro e Tempo de Creche:19 a 21 de janeiro/2017 – SP. Venha se atualizar e discutir Educação com Gisela Wajskop e equipe Tempo de Creche

RESERVE AS DATAS: 19, 20 e 21 de janeiro de 2017, das 9h às 16h30 – São Paulo

Encontros do Bairro: criança em foco
Uma parceria Escola do Bairro e Blog Tempo de Creche

Vamos conhecer, refletir e dialogar sobre…
uma abordagem pedagógica que desperta a curiosidade e a investigação
⇒ o bairro, a cultura e a natureza como contextos coletivos de aprendizagem
⇒ acolhimento e parceria com a comunidade e com as famílias

save-the-date-encontros-no-bairro

Uma escola que parece casa. Uma casa que parece escola

A Escola do Bairro foi inaugurada. O que salta aos olhos na concepção da educadora Gisela Wajskop?

A Escola do Bairro, da educadora Gisela Wajskop, foi inaugurada. Estávamos ansiosas para conferir o resultado interessante que já despontava na obra.
Como suspeitávamos… o clima de casa, de bairro, de família, de quintal, de brincadeira, se manteve. O que nos levou a pensar: como devem ser as escolas para crianças? Qual a atmosfera ideal? O que os ambientes devem transmitir?

Era uma manhã ensolarada. Um clima de festa de família ocupava uma das calçadas da Rua Joaquim Távora, na Vila Mariana, SP. Aquela agitação de entra e sai, de crianças querendo descobrir e pais ansiosos por conferir a possível escola para seus filhos.

Atravessando o corredor da entrada, ladeado por plantinhas coloridas, avista-se uma casa de vó e um imenso quintal no fundo.

escola-do-bairro-fachada-e-quintal

Continue lendo “Uma escola que parece casa. Uma casa que parece escola”

Uma casa que se transforma, uma escola que nasce da história

Escola do Bairro: uma proposta da educadora Gisela Wajskop que se instala num imóvel com história e natureza e busca parcerias com os equipamentos culturais e científicos do bairro.

Fomos conhecer as obras de instalação da Escola do Bairro, da educadora Gisela Wajskop, localizada na Vila Mariana, bairro histórico da cidade de São Paulo. Por que fomos até lá? Porque essa escola preserva a história de seu prédio e valoriza a cultura da comunidade do entorno. Porque seus muros vão abraçar os espaços verdes e equipamentos culturais e científicos de Vila Mariana. Porque o quintal verde da casa-escola é uma mancha de natureza, com os encantos de árvores e sombras, áreas para água e para fogueira, muita terra, areia, pedras, sol e até almoçar vendo o céu.  

O caminho já se mostrou um percurso prazeroso. Ruas repletas de casinhas pequeninas, com janelas, portas e cerquinhas, cobertas pelas sombras de grandes árvores centenárias e jardins com azaleias e roseiras passadas de geração em geração. Moradias mágicas que mostram para rua uma fachada pequena e singela, mas que, ao passar pelos portões, revelam quintais gigantescos e espaços recheados de mistérios. Uma dessas casas será a nova escola da pós doutoranda em Educação Gisela Wajskop.

Escola do Bairro 1A partir de uma vida de salas de aula, pesquisa e muito estudo, Gisela está reformando uma casa com arquitetura típica dos anos de 1940/50 para transformá-la na ESCOLA DO BAIRRO. A reforma do imóvel conversa com as crenças da educadora, que cuida de cada detalhe para preservar os rastros históricos do prédio e a atmosfera do bairro. Tudo pensado para que seus futuros alunos convivam com todos os aspectos da educação, da cultura e da cidadania. Uma concepção de que o que está de fora também está dentro. Não existem lados, porque sutilmente, espaços internos e externos parecem um só. Assim como corpo e alma. Continue lendo “Uma casa que se transforma, uma escola que nasce da história”

Brincar, uma linguagem que desenvolve

Tempo de Creche conversou com Gisela Wajskop sobre a cultura e as possibilidades do brincar, as conquistas na interação com os adultos e com outras crianças.

Tempo de Creche conversou com Gisela Wajskop sobre a cultura e as possibilidades do brincar, as conquistas na interação com os adultos e com outras crianças.

gisela 2

Tempo de Creche – Como você vê o brincar na infância?

Gisela – A linguagem própria da infância é a brincadeira da criança. No meu entender essa linguagem só pode ser compreendida e valorizada na medida em que a criança vai ganhando espaço e autonomia nas relações sociais. A criança na interação com seus pares e nas atvidades experimentais, busca compreender a vida dos adultos. Nessa medida, a linguagem do brincar ajuda as crianças a compreenderem os valores, atitudes, afetos e comportamentos dos adultos quando se colocam no lugar deles, utilizando objetos, gestos, movimentos ou ações lúdicas substitutas que os representam. Continue lendo “Brincar, uma linguagem que desenvolve”