Palavra de… Denise Nalini: escola e família, juntas na Educação

As familias sabem o que esperar da Educação Infantil? É função da escola educar também os pais? Veja a opinião da educadora Denise Nalini sobre as relações escola-família

Em seu depoimento, a professora Denise Nalini nos coloca a importância das ações de construção de parceria na relação escola e família. Relações que valorizam atitudes de respeito e de escuta, sendo planejadas com intensão pedagógica e tendo previsão de ações específicas.

Tempo de Creche – As famílias sabem o que esperar da Educação Infantil?

CEI Cidinha UNA 1Denise – Na minha perspectiva, o trabalho com as famílias deve acontecer num processo que podemos chamar de formação da demanda. É a primeira vez que uma família tem contato com uma instituição de educação, portanto a forma como é tratada marca suas expectativas em relação ao que será uma boa ou não educação. Em termos nacionais, a chegada da população brasileira à Educação Infantil é recente. Até pouco tempo atrás, a creche era compreendida apenas como um direito da mãe e não da criança. Dessa maneira, as famílias tinham medo de dar informações, pois corriam o risco de perder a vaga do filho, essas práticas ao invés de aproximar as famílias das creches, afastou e gerou tensão. Além disso, grande parte das mães e pais viveram um modelo de escola, em que a tônica era a cópia, a pasta cheia e a criança quieta. Pensar em valores de uma nova educação, refletir sobre o papel da brincadeira auxilia os pais a compreenderem que padrão de qualidade em Educação Infantil é muito mais do que criança limpa ou criança quieta. Continue lendo “Palavra de… Denise Nalini: escola e família, juntas na Educação”

Diálogos sobre relações VI: contatos de porta e primeiros dias na creche

Neste capítulo, as pedagogas Tânia e Lena aprofundam algumas das ações para promover o diálogo e construir relações e vínculo: contatos de porta

As pedagogas Tânia Fulkemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. Neste capítulo, as autoras aprofundam algumas das ações das escolas com as famílias para promover o diálogo e construir relações e vínculo: contatos de porta e primeiros dias na creche.

  6. CONTATOS DE PORTA E PRIMEIROS DIAS NA CRECHE

Crianças e paiMuitos pais querem conhecer a professora do seu filho e saber como é a pessoa ou as pessoas que cuidarão dele. Nutrem fantasias a respeito do jeito delas e precisam “ver para crer” e saber se são carinhosas ou ríspidas, comunicativas ou caladas, querem confirmar se são atenciosas e dedicadas as crianças e se correspondem as suas demais expectativas. Todos os pais têm uma ideia do tipo de professor que acham melhor para o seu filho, mesmo que este não seja verdadeiramente o perfil daquele que vai cuidar dele. Os contatos de porta e a presença deles na escola nos primeiros dias em que a criança ingressa são decisivos, servem para afinar estas expectativas, para criar os primeiros laços e fortalecer os vínculos entre pais e educadores. Continue lendo “Diálogos sobre relações VI: contatos de porta e primeiros dias na creche”

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação III

As pedagogas Tânia e Lena escreveram o segundo diálogos para refletir e inspirar as ações da construção da relação entre famílias e creches

As pedagogas Tânia Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição.

3. APROFUNDANDO O DIÁLOGO

gêmeos

Nas conversas com os pais e familiares é preciso deixar claros os objetivos e cultura institucional. É possível concordar ou discordar dos pais, podendo acatar ou não suas sugestões, buscando sempre fundamentar e esclarecer nossas decisões. Os pais também têm o direito de argumentar frente aos encaminhamentos institucionais. O importante é lembrar que todas as atitudes adotadas devem ser pautadas no que é melhor para as crianças e a coletividade escolar. E devem dar espaços para que caibam individualidades e singularidades neste coletivo. Continue lendo “Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação III”

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação II

As pedagogas Tânia e Lena escreveram 7 diálogos para refletir e inspirar as ações da construção da relação entre famílias e creches

As pedagogas Tânia Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição.

2. CRECHES E FAMÍLIAS: UMA PARCERIA DE ESCUTA

Entender a escola como ambiente de desenvolvimento infantil traz uma nova lente para educadores e famílias. Ambos nutrem expectativas em relação ao outro que, muitas vezes, são contraditórias. Algumas situações exigem um bom diálogo e uma dose de trabalho e disponibilidade para esclarecer à comunidade a função educativa da creche, para trocar opiniões, negociar e buscar soluções conjuntas e inovadoras para este atual formato de atendimento às crianças. Isto implica aceitar que qualquer criança pode frequentar a creche, não importa a razão pela qual seus pais optaram por isto. Parece muito simples esta proposição, mas compreendê-la significa aceitar, por exemplo, que uma mãe ou um pai deixe seu filho lá seja para passear, descansar ou procurar um trabalho. Isto é do âmbito particular e peculiar e não cabe à escola avaliar as dinâmicas e escolhas familiares.

Obras

 

A creche é uma instituição que recebe famílias dos mais diferentes estilos, religiões e culturas domésticas. Os diferentes modos de pensar e agir em relação às crianças geram conflitos que são inevitáveis e inerentes às relações humanas. Seria utópico (ideal, impossível) pensarmos em uma relação da creche com as famílias livre de contradições e atritos. Apesar dos esforços dos educadores para manter um bom relacionamento com as famílias, ainda é evidente as dificuldades de enfrentar os confrontos que são característicos das relações. Ao invés de tentarmos eliminar os conflitos ou abafá-los, precisamos enfrentá-los com humildade e flexibilidade. Isto só é possível por meio de uma escuta aberta, respeitosa e verdadeira para com os pais e responsáveis.

Mas como fazer isto? Continue lendo “Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação II”

Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação I

As pedagogas Tania F. Landau e Lena B. Marko escreveram 7 capítulos com diálogos para refletir e inspirar as ações da construção da relação entre famílias e creches.

As relações humanas são tão naturais que acontecem mesmo que não se troque nenhuma palavra. O ser humano é todo relação: qualquer sensação que detectamos a partir de outros seres humanos, nos provoca emoção e estabelece relações. Passamos informações através do nosso rosto, da roupa que usamos, do cheiro, da postura e obviamente das palavras. E, com essa bagagem, travamos as nossas relações.

Para o filósofo Vilém Flusser* as diferenças fazem parte da existência humana e ajudam a gerar mais conhecimento. Nesse contexto, as pedagogas Tania Fukemann Landau e Lena Bartman Marko escreveram diálogos sobre as relações envolvidas no ambiente das creches e instituições de educação. São sete capítulos para refletir e inspirar as ações dessa delicada relação e as possibilidades de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento e educação das crianças e das comunidades abrangidas pela instituição. 

1. CONSTRUINDO DIÁLOGO E APOIO ENTRE FAMÍLIA E CRECHE

Quando uma criança entra na escola ela vem com o “pacote inteiro” – traz consigo uma história, uma família e um modo peculiar de ser, viver e se relacionar que vem ancorado na sua experiência pessoal e doméstica, pois cada indivíduo e cada família é de um jeito, tem seus hábitos, tradições e costumes.

Tarsila do Amaral

 

De modo geral, a família se alterou. Avós, tios e vizinhos não tem mais composto a vida cotidiana do arranjo familiar, assim, os espaços de troca e convívio tornaram-se escassos e os pais não sabem muito com quem podem contar em caso de necessidade, quando precisam de apoio ou de algum esclarecimento para suas dúvidas e incertezas. A correria do dia a dia invadiu as casas e transformou a relação com os filhos. Continue lendo “Diálogos sobre relações: famílias e creches unidas na educação I”